Sendo este um  espaço de marés, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.

outra Cristina

Com a devida vénia, transcrevo o artigo de José Soeiro, in Expresso Diário, 11/01/2019, o qual subscrevo integralmente, não me orgulhando, entretanto, de ser «português aqui»…

Aconselho a leitura. Vivamente. Vale bem mais do que um infinito número de feicebuqices. 

Cristina Tavares não é Cristina Ferreira. Não é da Malveira, mas de Santa Maria de Lamas. Não ganha 38 mil euros por mês, mas 600. Não começou o seu novo trabalho, mas foi vítima do segundo despedimento. Ambas têm um filho. O de Cristina Tavares tem síndrome de Asperger. Cristina Ferreira está em forma, Cristina Tavares emagreceu sete quilos por causa da perseguição dos patrões. A guerra de audiências das manhãs de Cristina Ferreira têm dado muito que falar. Da guerra movida contra Cristina Tavares e dos seus dias de sofrimento e humilhação, quanto temos falado?

Conheci pessoalmente Cristina Tavares no dia 1 de dezembro do ano passado, na sede do Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte. Tinha acabado de receber a carta de suspensão da empresa onde trabalha desde 2009, a Fernando Couto Cortiças, SA. Cerca de um mês antes, a 28 de novembro passado, a Autoridade para as Condições de Trabalho condenou a empresa a pagar uma multa de 31 mil euros (que vão para o Estado) por assédio moral. Ontem, Cristina Tavares foi despedida pela segunda vez, em mais um episódio do processo de tortura física e psicológica de que está a ser vítima.

Em resumo, os acontecimentos. Em 2016 Cristina esteve de baixa para acompanhar o filho com deficiência, exercendo um direito que a lei lhe confere. Os patrões não gostaram e vingaram-se, inventando uma suposta “extinção do posto de trabalho” para correr com ela. Despediram-na no início de 2017. Cristina recorreu para o Tribunal, porque depende daquele salário para viver e para apoiar o filho. O Tribunal deu-lhe razão, condenou a empresa e obrigou a que a trabalhadora fosse reintegrada. Assim aconteceu. A empresa teve de cumprir a ordem judicial mas começou a tornar a vida de Cristina um inferno, com pormenores sórdidos de mesquinhez e desumanidade. Cristina passou a ter de usar uma farda diferente das colegas, por humilhação. Foi posta a fazer um trabalho improdutivo: a empilhar e a desempilhar numa palete os mesmos sacos com cinco mil rolhas, fazendo e desfazendo continuamente o mesmo trabalho.

Foi impedida de utilizar a casa de banho comum e passou a ter um WC só para ela, com uma porta de vidro que a expunha aos colegas homens e que obrigou Cristina a levar de casa um pano, que pendurava no vidro sempre que tinha de fazer as suas necessidades. Foi impedida de usar o parque de estacionamento e de falar com as colegas. Sabendo que tinha vertigens, os patrões puseram-na a trabalhar numa zona mais alta, e onde as temperaturas ultrapassavam os 40 graus, o que a fazia estar permanentemente a sangrar do nariz. Tortura, portanto.

Cristina denunciou estas atrocidades à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), e continuou a resistir. Depende daquele salário para viver e para que o seu filho viva. “É pelo meu filho que eu aguento isto tudo”, disse-nos. “O teu filho é assim, tem a doença que tem, porque tu és uma pessoa desprezível”, disse-lhe um dos administradores da empresa.

As inspetoras da ACT fizeram duas visitas à empresa e deram como provado tudo o que aqui relatei. E mais violações ainda. No auto do processo, que nos foi entregue no Parlamento, constam as fotos e os testemunhos que documentam e comprovam pormenorizadamente estas barbaridades patronais. A empresa, mesmo depois de condenada por assédio moral, continuou.

A 10 de janeiro, veio o novo despedimento por parte da empresa, fundamentado num repugnante processo disciplinar com base na alegação de que a trabalhadora, por ter falado sobre o caso, “difamou a empresa”. Mesmo sabendo que a lei proíbe sanções disciplinares com base em declarações ou factos relativos a denúncias de assédio, mesmo sabendo que um despedimento feito contra uma trabalhadora vítima de assédio é, à luz da lei, presumido como abusivo, a empresa insiste. Porquê?

Para patrões habituados ao despotismo, Cristina Tavares é um exemplo a abater, custe o que custar. Fez coisas imperdoáveis para quem acha que é dono dos outros: não aceitou o despedimento nem trocar o seu posto de trabalho por uma indemnização miserável, lutou sozinha pela reintegração que lhe era devida, usou os (poucos) direitos que a lei lhe reconhece para apoiar o filho, resistiu durante meses à humilhação. Denunciou os crimes dos patrões e não se calou.

Neste momento, a empresa aposta em três coisas para fazer vingar a sua estratégia de esmagar a Cristina e de aniquilar o seu exemplo. O tempo que os tribunais demoram até voltarem a dar razão a Cristina (e podem ser meses). A desgraça que é, para uma mãe com um filho de 21 anos que depende totalmente de si, ficar em estado de absoluta necessidade, sem salário e sem direito a subsídio de desemprego (porque a empresa alega a justa causa). E a inação ou o silêncio das instituições que têm de agir agora em defesa dos direitos humanos mais elementares.

Volto por isso à comparação entre as Cristinas. Ninguém pode fingir que não sabe deste caso. Ele tem sido noticiado por jornais e televisões, tem merecido a intervenção do sindicato e dos partidos à esquerda. É gravíssimo e é uma ofensa.

Não, não é um programa de televisão. E bem sei que, quando se fala desta parte do mundo do trabalho que não tem o brilho dos ecrãs, o Senhor Presidente tem primado pelo silêncio. Mas é a vida dela e o nosso respeito como país que estão em causa. Não acredito, por isso, que “entre uma reunião e outra” o Senhor Presidente da República não tenha tempo para um gesto para com esta Cristina. Um gesto a sério. Não apenas do “Marcelo Rebelo de Sousa”. Mas do Presidente.

2019

Amizades,
 

Que 2019 nos conforte. Que nos traga o ânimo para olhar a vida de frente, de coração aberto e sem medos. Que este novo ano seja tão primordial como aquele em que nascemos, onde tudo estava por fazer e por viver. Que seja o caminho a descobrir em cada passada que ousamos.Que seja a afirmação clara do nosso eu em favor de todos nós. Que tenha, também, um tempo para a poesia da vida prosaica.

E que nos voltemos todos a encontrar em 2020.
Com abraços.
Jorge Castro

num 2018 que quase já se cumpriu…

.. é chegado o momento melhor aprazado para o balanço a fazer de mais um ano que vivemos, chegados que somos ao solstício do Inverno. E outro ano está já a bater à nossa porta.

Para o irredutível amador das palavras que eu gosto de me sentir, julgo poder afirmar que o ano foi fecundo e a missão, que nunca está cumprida, conheceu belos momentos. Eis alguns de que permanecem testemunhos vivos: 

Com edição da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa e sob coordenação de Armando Palavras foi lançado, no dia 25 de Maio, o livro intitulado Antologia de Autores Transmontanos, Durienses e da Beira Transmontana, no qual participei com texto de minha autoria.

 

O Mar em Nós – Provavelmente o maior livro de poemas publicado nos últimos cinco minutos, asserção irónica que, sendo uma grande verdade, não tem qualquer utilidade prática… Mas, sim, senhores, 254 poemas, ao longo de 344 páginas foi obra minha de prolongado fôlego que, com edição da editora Apenas Livros, conheceu o seu nascimento oficial, também no dia 25 de Maio, no excelente espaço do Palácio do Egipto, em Oeiras.

Numa colaboração com Ernesto Matos que muito prezo e que já constitui um salutar hábito, tive o prazer de ver alguns trabalhos poéticos de minha autoria no livro Calçada Portuguesa – Scriptum in Petris (edição Sessenta e Nove Manuscritos, 2018)

Em Novembro, soube que a minha participação nas Competições Culturais do Clube EDP 2016-2018 tinha obtido um total de dez prémios (incluindo o de melhor participante), nas áreas da Poesia, Conto, Quadras, Fotografia a preto e branco e Escultura, dos quais destacaria os primeiros lugares em Poesia e Quadra e o segundo, terceiro e quarto lugares em Conto. 

Em Dezembro, nasce por fim a Claridade, de Mário Piçarra, cd que integra doze temas, três dos quais (08, 09 e 12) com letras de minha autoria e cujo tratamento considero superiormente levado a bom porto por este meu amigo.

Integrando um projecto nascido já em 2016, coordenei e participei no terceiro volume do livro Palavras com Espaço e com Memória – 2018 (com edição da Apenas Livros, em Dezembro), obra constituída por textos (prosa e poesia) da autoria de associados da Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras

Será esta uma muito imodesta manifestação de vaidade, é verdade… Mas o trabalho aí está. Singrando por caminhos onde tenho previlegiado a tal arte do encontro, apesar dos tempos desencontrados que vivemos.

Aqui fica, também, o meu abraço e os votos auspiciosos de que, em 2019, o homem, universalmente considerado, seja mais humano e, assim sendo, mais ilustrado, mais consciente e mais solidário. Porque nenhum homem é uma ilha, como sabemos…

Boas Festas!

desperdiçados de todo o mundo, uni-vos!

Pois é… Nas deambulações matinais no esplêndido areal de Carcavelos, hoje, deu-me para a recolha de desperdícios que o mar traz à costa. E são tantos, senhores, que a melhor boa vontade se revela, rapidamente, incapaz de capaz cumprimento!

Mas, enfim, o lixo que eu retire não fica lá, como diria algum avisado senhor de la Palice. E assim foi que recolhi tanto quanto um providencial saquinho – de plástico, também, claro –  me permitiu.

Pazinhas, baldinhos, brinquedinhos – como me ocorre de um pregão que ouvia na infância balnear -, tudo por ali pulula, ponteado profusamente por tampinhas, restinhos de redes e fiozinhos de pesca e miríades de pauzinhos de cotonetezinhas. Um verdadeiro bazar a céu aberto, do qual se diria que apetece basar quanto mais depressa melhor…

Chegado a casa, despejado o espólio da caçada de uma escassa meia-hora passada no areal, falta, ainda, separar os lixos vários, mormente as tampinhas que servirão, talvez e numa lógica assaz inconsistente, mas que lá vou cumprindo, para adquirir cadeirinhas de rodinhas para instituiçõezinhas que estejam mal instituídas, coitadinhas, mas que precisem para os seus eventuais utentes.

Ainda assim e mal por mal, sempre é coisa mais coerente do que o banquinho alimentarzinho da Isabel Jonetezinha, onde, como alguns sabem e outros fazem por não pensar nisso, quem mais ganha são as grandes superficiezinhas.

convites
– exposição de aguarelas de Eduardo Barata
– espectáculo do MALTA Grupo de Teatro

Caríssimos, aqui ficam duas sugestões para o próximo dia 02 de Novembro e seguintes (ainda que não coincidentes no tempo) em que estão envolvidos dois amigos – Eduardo Barata e Miguel Partidário – que me merecem confiança e consideração e cuja evolução tenho acompanhado com agrado. Os respectivos cartazes contêm a informação necessária para vos levar a bom porto. Se puderem, apareçam. Creio bem que, num caso como no outro, não dareis por mal empregue o tempo:

ver com olhos de ver…
ou de como um bom guia nos pode abrir outros mundos

Com um profundo agradecimento e devida vénia a Luísa Alves, geóloga, professora e tudo, partilho convosco um passeio que me foi proporcionado à terra das pedras que pisamos tantas vezes sem dar por elas e que realizei há poucos dias… Trecho breve, na relatividade das coisas, de Carcavelos à Lagoa Azul de Sintra, passando pela Praia da Poça e pelo Guincho de Cascais, tive, então, a oportunidade de olhar para aquilo que tantas vezes não vi, na passagem constante do tempo e nessa visão fugaz e sem tempo daquilo que nos rodeia.

Aqui e ali, a vida animal ou vegetal colocou-se à disposição do nosso olhar agora desperto, como partilhando cumplicidades ou, enfim, premiando a nossa atenção geralmente dispersa na espuma dos dias.

read more…

O Mar em Nós apresentado nas Caldas da Rainha
– algumas imagens

Por convite e com organização da Comunidade de Leitores e de Cinéfilos das Caldas da Rainha apresentei, no passado sábado, dia 13 de Outubro, o meu livro O Mar em Nós, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha.


Palmira Gaspar inicia a sessão e apresenta o seu programa geral. 

De seguida, Carlos Gaspar apresenta, perante uma sala muito confortavelmente preenchida, o grupo musical Sexteto 5+1, de A-dos-Francos, constituído por cinco clarinetes e um saxofone, sendo as suas jovens intérpretes a Rafaela Esteves, a Margarida Lourenço, a Beatriz Estêvão, a Ana Rita Louro, a Sara Lourenço e a Mafalda Filipe.

Não foi esta a primeira vez que contei com a companhia deste grupo – que integra, também, a Orquestra Juvenil de A-dos-Francos, dirigida pelo Maestro Diogo Esteves – e espero bem que não seja a última, não só pelo nível de execução, mas até pelo claro sinal de esperança e vitalidade que representam.

Destaco, dos números interpretados, a versão do Summertime (Porgy and Bess), de George Gershwin, que me encheu as medidas.

De imediato passámos à apresentação de O Mar em Nós, anunciado por Palmira Gaspar

… que anunciou David Silva, o qual, por sua vez, fez uma dissertação sobre a obra e o autor indissociável, conforme as suas palavras, da relação de amizade que nos une já de longa data. Não me competindo ser juiz em causa própria, direi apenas que me terá surgido um brilhozinho nos olhos e o Sérgio Godinho nem estava presente…

Passei, então, à leitura de poemas, após algumas considerações sumárias acerca dessa mania incontrolável de se escrever um poema, através de alguns porquês que me parece terem recebido acolhimento muito favorável pela assistência.

E, pronto, assim se cumpriu mais uma jornada neste caminhar, com a costumeira sessão de autógrafos, entretanto sempre renovada pelas circunstâncias específicas que rodeiam cada apresentação. Venham de lá mais…

  • Fotografias de Lourdes Calmeiro e de Lídia Castro

O Mar em Nós
– apresentação do meu livro nas Caldas da Rainha
no sábado, dia 13 de Outubro

A convite da Comunidade de Leitores e Cinéfilos das Caldas da Rainha e com sua organização, terá lugar, no próximo sábado, dia 13 de Outubro, pelas 15 horas, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, uma apresentação do meu recente livro de poemas O Mar em Nós


Vem de longe este simpático e amável apoio com que sempre tenho contado por parte da Comunidade de Leitores e de Cinéfilos das Caldas da Rainha, bem assim como a constante disponibilidade de Aida Reis, enquanto responsável desta Biblioteca, que não só tornam possíveis estes eventos, como o fazem com um notável espírito solidário e empenhado, a quem devo, também aqui, lavrar a minha homenagem e agradecimento.

Esta minha apresentação conta, desta feita, com o apoio de David Silva, que acumula os seus afazeres de advogado e poeta, com a circunstância de me honrar com a sua amizade, e que de imediato se disponibilizou para me auxiliar a ultrapassar este momento sempre de alto risco… pois não é impunemente que alguém se afoita a publicar poesia num mundo tão politicamente prosaico.

A sessão contará, também, com a participação especial do Sexteto 5+1, agrupamento composto por seis jovens (5 Clarinetes e 1 Saxofone-Tenor), elementos efectivos da Orquestra Nacional de Sopros da Banda Filarmónica e da Orquestra Juvenil de A-dos-Francos, com quem tive já o gosto de partilhar espaços e circunstâncias outras, pelo que vos posso assegurar que o tempo que destinareis para as ouvir não será tempo desperdiçado. 

Lá conto, então, com a vossa presença. As Caldas da Rainha estão a um pulinho de tudo quanto é sítio e é, por sua vez, sempre um sítio digno de visita.

Até lá.

Convite – 107ª sessão das Noites com Poemas

Com Henrique Leitão, no próximo dia 28 de Setembro, pelas 21h30, no Palácio do Egipto, em Oeiras, teremos, como pretexto para mais uma sessão de poemas, o tema

A influência do Matemático Pedro Nunes nos Descobrimentos   

Físico notável, historiador da ciência, Prémio Pessoa 2014, são, entre outros,  atributos que nos garantem uma muito interessante sessão e um desafio acrescido para uma adequada resposta poética por parte de quem se afoite a tal.

Henrique Leitão será, por sua vez, apresentado por Rui Malhó, outro cientista e excelente comunicador, que já nos trouxe a sua brilhante colaboração em anterior sessão de poemas e que, de imediato, se prontificou, agora, a fazer a apresentação do «companheiro de armas» – falando-se aqui de saberes, bem entendido.

Sessão, pois, a não perder. O próprio Luís Vaz de Camões, não fora consabidos problemas de agenda, teria decerto todo o gosto em nos acompanhar…

Esta sessão conta, como habitualmente, com o patrocínio da Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras e da Câmara Municipal de Oeiras.

Lá vos espero, então. Abraços.

Jorge Castro

qual gourmet qual carapuça…!

Então, a coisa é assim:

Sardinha da boa – sim, que neste altura é muito melhor do que nos santos…. – grelhada a preceito, isto é, sem nada mais do que uma pitada de sal e bastando-lhe duas voltas na grelha.

O vinho pode ser verde branco, estupidamente gelado, como se diz na canção.

O preceito da sardinha recomenda, sem imposições, que o animal repouse em fatia de pão (saloio, de forno a lenha e sem os imensos buracos que se tornaram hábito…) no momento da degustação. Assim, o faneco vai ficando impregnado do mais suculento que a sardinha nos reserva, bicho após bicho.

Trata-se, após a última sardinha, de levarmos o pão aos restos do grelhador e deixá-lo, por lá, alguns minutos, até adquirir a consistência de uma torradinha matinal.

Depois, com a maior volúpia  e o que resta do vinho verde, fazer-lhe as devidas honras. Gourmet para quê?

Foi, decerto e também, a pensar num faneco assim afeiçoado que o Camões nos disse que melhor é experimentá-lo que julgá-lo

Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas
– Federico García Lorca

Arquivo

Categorias