dia mundial da Poesia e da Árvore e tudo

Poderia lançar aqui um poema circunspecto, quiçá conceptual, um tudo ou nada selecto… Mas é dia de poesia em que vivo constrangido… e por tal constrangimento falo de um dia vivido:

Um dia de Corona

já eu estou que nem me tenho
sem poder sair do ninho
com a parceira me avenho
de longe aceno ao vizinho
corta aqui – fura acolá
em arranjos sem ter fim
p’ra que serve, digam lá
ter um tão lindo jardim?
na calçada queimo ervinhas
libertando olor profundo…
– estou a falar das daninhas,
ó almas do outro mundo!
lá dou de comer ao melro
ao rabirruivo, ao pardal…
tenho lenha, se não erro
p’ra cortar ‘té ao Natal
se tivesse cão iria
para a praia passear
mas como tenho a Maria
em casa devo ficar
bem chateia um tanto estar
no nem ata nem desata
vou tentar deambular
pondo uma trela na gata
pelo feicebuque passeio
traseiro bem instalado
apuro cenas pelo meio
e fico mais ilustrado
ilustrado nem é bem
pois lá passeiam vaidades
gostamos do que convém
e o resto nem são verdades…
mas sempre lanço uns bitaites
como se filosofasse
depois visito alguns «saites»
e espero que o tempo passe
para tratar do traseiro
temos cá muito papel
não faço da merda tinta
nem dos dedos um pincel
vejo filmes, leio livros
e sou feliz de algum modo
e se me faltam convívios
vou-me às árvores… e ali podo
depois uma especiaria
à refeição apurada
eu e a minha Maria,
a gata… não falta nada
vejo então televisão
– Corona de ponta a ponta
e Marcelo até mais não,
mas o António é que conta
e em vez de dar um grito
vem-me o Aleixo à memória
neste momento aflito
que confunde até a História:
ó vós que do alto império
prometeis um mundo novo
calai-vos que pode o povo
querer um mundo novo a sério…

111ª sessão das Noites com Poemas
– Resistir!

Amizades,
A sessão que estava aprazada para o próximo dia 27 e que eu vos iria anunciar foi cancelada, mesmo antes desse anúncio, por razões que estão na ordem do dia. Também canceladas foram todas as iniciativas previstas para o Dia Mundial da Poesia.
Mas estamos aí! Direi que não há vírus que corte a raiz ao pensamento… E se as circunstâncias aconselham e impõem confinamento, seja. Mas a vida continua! Proponho-vos, então, uma sessão virtual, em que todos podem entrar:

 – Abaixo segue um poema meu, suscitado pelos dias que correm.

Aqueles de vós que assim o quiserdes, respondei-me em forma de poema ou de prosa poética (dimensionalmente contida, claro) e, se não tiverdes problemas de foro autoral, eu publicá-lo-ei, por ordem de chegada, no meu blog Sete Mares (sete-mares.org). Quem sabe, não desagua a coisa em publicação, para depois do vírus… 

  • Jorge Castro, 16 de Março de 2020

………………………………………………………………………………………………………………….

da Lourdes Calmeiro

Resistir para amanhecer:

  • Se COVID 19 (CoronaVirus) = infectados+pessoas++++mortes — FIQUE EM CASA !!!
  • Mas as Romãs = Ácido Elágico (antioxidante+anti-inflamatório+imunológico) + zinco + magnésio + vitamina C…

Para amanhecer melhor a Vida tem opções…

………………………………………………………………………………………………………………….

De Clotilde Moreira

…………………………………………………………………………………………………………………

De Cândida Ferreira

…………………………………………………………………………………………………………………

De Maria do Rosário Freitas

…………………………………………………………………………………………………………………

De Arthur Santos

¢ArthurSantos2020

  …………………………………………………………………………………………………………………

De Arnaldo

…………………………………………………………………………………………………………………

De Ana T. Freitas

…………………………………………………………………………………………………………………

meninos, vamos ao vírus…

(Cansado, muito cansado com o matraqueamento viral a que vimos estando sujeitos, dei por mim a escrever disparates, que é uma terapia de equilíbrio mental que muito prezo e muito me ajuda a sobreviver…)

– para ser cantarolado com a popular modinha Meninas, vamos ao vira…

meninos

vamos ao vírus

ai

que o vírus anda em Lisboa

constou-me que já o viram

ai

às voltas pl’a Madragoa

os vírus são giros

estão cá p’ra ficar

apanhamos vírus

que eles andam no ar

umas vezes dados

sem pedir ninguém

outras emprestados

por meio vintém

se me espirras para cima

ó ai

vais dar comigo em doente

espirra então para o ar

ó ai

que contaminas mais gente

uns tipos matreiros

outros folgazões

poucos verdadeiros

muitos aldrabões

maldições, desgraças

e males de pasmar

que por mais que faças

vais ter de apanhar

não me digas que é de Marte

ó ai

que nos vem a virulência

vais ver que é daquela parte

ó ai

onde falece a ciência

são vírus de porcos

de vacas também

e o das avezinhas

não poupa ninguém

fico duvidoso

de tanta maleita

parece que o demo

anda à minha espreita

e no fim de tudo

iremos morrer

se não for do vírus

é por ter de ser! 

Pum, pum…!

– Jorge Castro, em 04 de Março de 2020

uma pequena vaidade…

Há alguns meses atrás fui contactado por uma plataforma de educação brasileira, o SAS Iconografia (https://jobs.kenoby.com/saseducacao), que me solicitou permissão para integrar um poema de minha autoria (poesia visual) numa sua publicação didáctica.

Autorização concedida, eis que me chega o meu poema e a página onde se encontra publicado. Pela sua curiosidade e pelo interessante conjunto de questões formuladas no mesmo, aqui fica, como razoável exercício de vaidade… e não só.

Noites com Poemas
com o Núcleo de Fotografia de Oeiras
– Imagens de mil palavras

Imagens de Mil Palavras, a próxima sessão das Noites com Poemas, que conta com a participação de elementos do Núcleo de Fotografia de Oeiras (NFO) e que terá lugar no salão nobre do Palácio do Marquês de Pombal, em Oeiras, no próximo dia 22 de Novembro (sexta-feira), pelas 21h30

O desafio: cada participante inscrito através do NFO selecciona uma fotografia de sua autoria à qual irá associar um poema (do próprio ou não), poema esse que será a «legenda» da imagem, apresentado pelo respectivo autor ou alguém que por este seja para tal incumbido.

Se a selecção de imagens  pode ser pesquisada em https://www.facebook.com/search/top/?q=nucleo%20fotografia%20de%20oeiras-nfo&epa=SEARCH_BOX , já os poemas serão mistério a desvendar na própria sessão. Não os perca, pois.

Esta sessão conta com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras.

Abril, sempre!

Este cravo nasceu em 20 de Abril de 2019, nada o distinguindo daqueles outros nascidos há 45 anos…

Quando se fala em Abril (em 2019)

quando se fala em Abril

nos dias que vão correndo

há quem abra muito os olhos

no assombro de angústias mil

quem semicerre os sobrolhos

como quem diz «não entendo…»

e as portas que abriu Abril

em torpor se vão fechando

entre uma biquinha curta

ou marés de ignorância

sempre havendo atrás da porta

alguns esgares de arrogância

quem sabe da Liberdade?

quem quer saber de ser livre?

quem quer ter voz na cidade?

(ai-jesus-e-deus-nos-livre!…)

quem quer trazer um poema

por achar que vale a pena?

e também algum amigo

e entre ambos descobrirem

que vai além do umbigo

o concerto do universo

e porventura assumirem

a transcendência de um verso

dito a dois como se em coro

e duas vozes são mil

já num abraço fraterno

combatendo o desconsolo

ao descobrir sempre Abril

mal nos acaba o inverno.

E palavras não eram ditas, eis que uma querida amiga me dá conta de que, também num seu canteiro, floriu um cravo, este de 24 para 25, que ela me presenteou em belíssima fotografia que partilho:

– Jorge Castro

25 de Abril de 2019