ao Carlos do Carmo

ele é o homem na cidade
o homem-voz de um povo inteiro
que pela sua voz era diferente

cantor de um fado em dó maior
por si sentido
por esse povo em sua voz
ser renascido
a reinventar o amor
nas ruas frias da cidade enferma
enferma de liberdade
até à redenção
enferma de saudade
até ao coração que a razão cultiva
o outro fado
do outro lado de toda a vida
que há em Lisboa num beco esconso
mas corre mundo
e corre a vida até ao osso
ou à medula do que mais vale

a nossa voz que ele redimiu
e reforçou
onde a palavra se engrandece
de pedra e rosas
de andorinhas
de uma loucura ao desencanto
e as tabuinhas de uma janela
feita do espanto que acontece
depois do pranto
depois da prece
quando se ergue a voz do povo
onde Lisboa sempre amanhece…

  • Jorge Castro
    01 de Janeiro de 2021

Natal 2020

Valendo mais cedo do que tarde, cá vos deixo o meu poema de Natal para 2020. Vai com ele um abraço e um brinde à Vida. E votos para que a vossa saúde esteja forte e para que continuemos a encontrar-nos por aí…

Podem ouvi-lo «ao vivo» aqui:

https://www.facebook.com/1271511073/videos/10223531478576367

NATAL 2020

passo por este Natal como se Natal não fosse
passo pelo Natal como se nem houvesse
pedem-me que viva como se não vivesse
– nunca estive preso que agradecesse… –

lá fora choveu
está frio
e eu
vejo pela vidraça que tudo parou
mas vendo melhor
o Sol
o mar
o vento a soprar
percebo que ao fim nada em mim mudou
só este torpor
o garrote imenso de mal respirar
esse algo indizível que nos rouba o ar

mas passo o Natal como se nada fosse
pois que há na Terra
a fome
e o frio
o medo e a guerra que sempre acontece
como há o riso
o sonho
e a vida que já amanhece

quero então que o Natal seja um recomeço
e seja também
quanto lhe apetece dar passos em frente
a caminho da esperança

e que mais não seja
– ao longe e muito ao de leve –
o primeiro choro de alguma criança
nascida a Dezembro deste inverno duro
e a mãe que a teve
se atreva a erguê-la aos céus deste mundo
gritando que ali
nasceu o futuro.

  • Jorge Castro
    12 de Dezembro de 2020
  • Tenham um bom Natal e um sorridente ano novo.

quatro estações e tantos apeadeiros

o Outono é a cor das folhas sem vida
que anunciam o Inverno
porque há sempre um propósito naquilo que aconteceu
por ter de acontecer
como se o inverno não tivesse a superior missão
de anteceder a graciosidade da Primavera
para então
reconfortados
nos regozijarmos no regaço do Verão!

  • Poema e grafismo de Jorge Castro
    05 de Novembro de 2020

dia do poeta

hoje é dia do poeta
como se ontem não fosse
ou amanhã não será

ser poeta é um momento
do tamanho do universo
que nasce ao correr do tempo
sem ter ontem e amanhã

mas desfalece ou perece
quando ao tempo lhe parece
um poema coisa vã

mas não é
nunca será
porque um poema é o tempo
que trazemos lá de trás
e que se faz da esperança
no dia que lá virá.

e poeta então será
quem quer que atravesse o tempo
ontem
hoje
ou amanhã.

  • Jorge Castro
    20 de Outubro de 2020

uma provocaçãozinha, em modo poético…


… após leitura de poemas de «autores consagrados» que li aqui e ali – alguns de vós entendereis melhor o alcance da proovocaçãozinha, mas nem todas as cumplicidades podem ser do mesmo tamanho.


Se, em tempos, escrevi um «pastiche» de José Saramago que mereceu um comentário elogioso do próprio – e acreditem porque sou eu a dizê-lo! – porque não enveredar por caminhos poéticos algo diversos dos que me são habituais? Ora, lede e vede:


A modos que um poema pós-moderno
vejo-me daqui ali sem sair de onde estou
as cadeiras em meu redor despertam o silêncio
dançando um tema de Gardel
numa esgrima de pernas tentacular
em amontoados de mobília sem sentido
o som dolente do tango
funde-se numa valsa estranhamente austríaca
onde os violinos são como gôndolas venezianas
mergulhadas em glaucos abismos
de estridências vibrantes
e eu e tu sozinhos sob uma aurora boreal
pressentimos o desejo do solstício


ah se uma gaivota portuguesmente voasse nos céus de Phuket
outro galo nos cantaria
na urbanidade de Auckland
onde pai e mãe me afagam na derradeira carícia
antes da tempestade

somos tão poucos a voar que parecemos todos
pequenos
vistos da lonjura
de estarmos aqui e ali sem sairmos de onde estamos…

  • Jorge Castro
    10 de Outubro de 2020

Carlos Alberto Ferreira

– não deixo de me comover com a imagem deste herói solitário, descendo a Avenida da Liberdade, em 25 de Abril de 2020…

Carlos Alberto Ferreira
assim mesmo
sem mais ser
desce a Avenida liberto
e a Liberdade é seu nome
é o que tem de mais certo
que assim se fez ao nascer

desce a passo compassado
leva com ele o pendão
que dá nome a uma nação
e sobre os ombros transporta

leva o pendão em penhor
de um destino maior
futuro que mais importa

Carlos Alberto Ferreira
desce trajado a rigor
a Avenida
e é senhor
da verde e rubra bandeira
que nas suas mãos é a flor
de em Abril florescer
para uma nação inteira.

  • Jorge Castro – 28 de Abril de 2020

(fotografia da autoria de José Sena Goulão, publicada pela Associação 25 de Abril)