um momento perfeito

Foram poucos, numa vida inteira. Mas cada um deixou marca indelével. De súbito, nada me faltava ou tudo o que tinha me bastava e havia uma sensação perto do irreal a que, se calhar, chamamos felicidade.

Hoje, dedico-lhe um poema.

UM MOMENTO PERFEITO

por vezes um sobressalto
um frémito sem cor nem tom
um sentir falar mais alto
uma razão sem razão
uma inércia em que vogamos
só porque sim e mais não
e vamos só porque andamos
em frente de corpo inteiro
e nem vemos quanto olhamos
e nem pensamos primeiro

um sobressalto por vezes
tantas vezes perseguido
como um salto entre revezes
para além do conhecido
e nada então nos faz falta
nada mais disto ou de nada
como se em qualquer ribalta
toda a vida fosse estrada
e uma certeza ressalta
fazer nossa caminhada

esse é o momento perfeito
onde tudo está mais claro
cada um com o seu jeito
cada um com seu amparo
mas um mar de quietude
nos invade em harmonia
desejos de solitude
com laivos de maresia
tal de um poema a virtude
de nos fazer companhia.

  • Jorge Castro
    25 de Julho de 2021

liberdade (sobre o tema de «A Lista de Schindler»)

Revisitando «A Lista de Schindler»

A oportunidade das coisas que fazemos é, quase sempre, muito própria e, geralmente, intransmissível. Este quase-poema foi escrito sob a influência do tema do filme, da autoria de John Williams, e das imagens sempre aterradoras de uma realidade que nos está próxima e, lamentavelmente, sempre muito presente: o menosprezo pela vida. Aqui vo-lo deixo:

LIBERDADE (SOBRE O TEMA A LISTA DE SCHINDLER)

quanto tempo há-de passar
oh quanto tempo
quanto rios hão-de secar
até cessarem de se inundar com as lágrimas
da miséria humana?
porque percorremos os bosques
do contentamento
os céus puros
e até as melancolias
dos amantes enternecidos
se mergulhamos depois as mãos no sangue
dos nossos irmãos
por uma fé iníqua
ou pela mera angústia de viver
pelo medo sem sentido
de ser?

a liberdade
flui em cada vida que brota
no eterno retorno da mesma vida
essa liberdade
entranhada no ser que somos
razão e matriz de vida e razão de ser
uno e um no meio dos outros
mas partilhado por tudo quanto de nós
se faz com o fluir do tempo
desse tempo por onde todos vamos perpassando
na ininterrupta caminhada
até chegar a hora
de passarmos o nosso testemunho e legado
ao mundo que nos acolheu
e a quem de tudo somos devedores

pelo meio do troar hediondo da guerra
e os gritos desgarrados do horror
a morte do nosso semelhante às nossas mãos
é a derradeira manifestação de aviltamento
e cobardia
é a negação maior da nossa própria existência
da nossa razão de viver
da nossa própria liberdade.

  • Jorge Castro
    20 de Junho de 2021

Litania ao Dia de Portugal 2021

venha lá a sardinha
as papas e os bolos
de enganar os tolos
a chuva miudinha
uva sem grainha
venha lá o medo
venham os bretões
nos seus aviões
dar cor ao enredo
em cor de lagosta
como a gente gosta
mas sem sinapismo
venham lá depressa
espantar o Eça
criar mais turismo
venha lá a Covid
que ninguém duvide
que está p’ra ficar
assim como estamos
entre desenganos
a olhar para o mar
venha a valentia
de num qualquer dia
ao mar nos fazermos
mas com a alegria
de um submarino
que só anda a remos
venha lá o vinho
o amigo e o vizinho
e do mal venha o menos
venham caracóis
com os futebóis
tão bons de rimar
tal como a cerveja
e a tanta inveja
que temos p’ra dar
ah meu Portugal
plastificado
como o via O’Neill
como o canta o fado
não há outro igual

ou melhor dizendo
não há outro Abril…?

  • Jorge Castro
    10 de Junho de 2021

reflexões quadradas sobre actualidade obtusa

não há bolha que me valha
nem marquise que me aflija
nem o fio da navalha
apara só barba rija

pelo ar vão perdigotos
da nossa boca e nariz
uns mais tristes outros rotos
filhos da mesma perdiz

mas se uns tossem baixinho
não querendo incomodar
há quem tussa no vizinho
e há quem tussa pró ar

somos grandes somos lindos
somos país tal e qual
Portugal sonhos infindos
cheios de etc e tal

ah quem me dera quem dera
ao menos o prometido
como quem fica à espera
do ouro de algum bandido

as três sílabas de O’Neill
quanto jeito dão agora
se nos virmos de perfil
só singramos bem lá fora

povo bom e povo inteiro
assim meio a dar pró torto
as mais das vezes carneiro
outras carneiro mal morto

futebóis oh futebóis
somos de causar inveja
num prato de caracóis
bem regadinho a cerveja

amarfanhados de impostos
pelo mau fado de um fado
temos por consolo os gostos
num “face” mal amanhado

quanto ao mais haja saúde
paz e amor em lume brando
tangendo algum alaúde
lá vamos… de vez em quando

ah mas um dia isto vira
ah mas um dia isto muda
surge algum vate de lira
vai ser um deus-nos-acuda!

  • Jorge Castro
    em Maio chegando ao fim, pim!

viva o 1º de Maio
Dia do Trabalhador

De uma imagem por mim obtida no primeiro de Maio livre, em 1974, para o Soneto do Trabalho, de José Carlos Ary dos Santos:

SONETO DO TRABALHO

Das prensas dos martelos das bigornas
das foices dos arados das charruas
das alfaias dos cascos das dornas
é que nasce a canção que anda nas ruas.

Um povo não é livre em águas mornas
não se abre a liberdade com gazuas
à força do teu braço é que transformas
as fábricas e as terras que são tuas

Abre os olhos e vê. Sê vigilante
a reacção não passará diante
do teu punho fechado contra o medo.

Levanta-te meu povo. Não é tarde.
Agora é que o mar canta é que o sol arde
pois quando o povo acorda é sempre cedo.

Poema datado? Pois é. Nesta data comemora-se o Dia do Trabalhador! Porque é que não havia de ser um poema datado?

25 de Abril

Porque é Abril e, nele, o dia 25, aqui vos deixo uma imagem alegórica que o meu filho Alexandre criou a partir de fotografias minhas obtidas nesse dia, em 1974.

Imagem a imagem, é por Abril que vamos.

Foi pela força das armas, não o esqueçamos, que Abril de 1974 aconteceu.

Mas pela força das armas que, a começar pelo Movimento dos Capitães, culminando na incondicional adesão popular, soubemos todos temperá-la com a candura de um cravo.

E, assim, esse momento inspirador e único deu novos mundos ao mundo.

Do meu livro «Abril – Um Modo de Ser», o poema «Abril, sempre!»:

ABRIL, SEMPRE!

na dolência de nos quedarmos tão sós
na cadência sincopada de agonias
contra quanto de tão vil afoga a voz
na premência da urgência de outros dias
não te esqueças desse grito com que alarmas
o presente e o futuro que querias
pois o Abril das quimeras
e utopias
esse Abril rima bem com povo em armas.

Para quem traz Abril no peito, podem ouvir o meu poema aqui:

https://www.facebook.com/1271511073/videos/10224546206743937