permaneço coronadamente confuso…

O momento é difícil. Ponto. Requer uma atitude cidadã consciente e activa. Ponto, outra vez. Nada a dizer e estejamos atentos e cumpridores ao que nos for sendo imposto tendo em vista a contenção da propagação do flagelo.

Mas, de repente, a malta vai para a praia porque a universidade fechou e cai o Carmo e a Trindade… Os órgãos da dita comunicação exasperam-se e vituperam os prevaricadores; comentadores desvairados insultam os veraneantes extemporâneos; as forças vivas (ou assim-assim) vêm à televisão recordar que aquilo não são férias…

Mas porquê? Então, o Sol não fortalece, até, a nossa imunidade e, como tal, é uma terapia oportuna? E será que, nas diversas escolas, os alunos foram industriados devidamente a enclausurarem-se nos respectivos abrigos? Ou, como habitualmente, tudo vai sendo feito «à Lagardère», tipo a-escola-fechou-até-mais-ver-podem-ir-embora…?

Já numa ida ao meu talho habitual, onde curo do meu abastecimento semanal, em vez de esperar cinco minutos – como é a bitola – tive de aguentar duas horas e meia na fila, para ser atendido, com toda a malta a levar quase todo o jardim zoológico para casa, como se estivéssemos à espera do armagedão já para logo à noite…

Mas, espera aí, aquela senhora que palita os dentes com o dedo mindinho, alterna esta modalidade desportiva com o apoiar-se na vitrina das carnes, uma e outra vez, apontando o naco pretendido ao talhante; aqueloutra, já de idade, vai-se apoiando, alternadamente, mão direita, mão esquerda, o braço todo, as costas na mesma vitrina, enquanto afaga a cabecinha loura da possível netinha, ao colo da filha, também ambas com as mãos pespegadas no vidro delambido. E aquele senhor que tosse e limpa as mãos às calças e, logo mais, ao mesmo vidro da mesma vitrina, apoiando-se enquanto pergunta a um dos talhantes se pode passar à frente, pois tem o restaurante sem carne, ainda que esteja às moscas e já estamos na hora do almoço… E as duas amigas, velhotas já, que estão também numa espécie de desafio, a dar à língua, enquanto esperam, vai para duas horas e à falta de melhor, também se apoiam à sacrossanta vitrina, à míngua de cadeiras onde repousarem o traseiro fatigado…

Quer-se dizer, só nestas escassas duas horas e meia assisti a um potencial imenso de transmissão de vírus, os mais diversos e transviados, à vista de todos e com a maior e mais santificada inconsciência e beatitude e – mais importante – sem que aparecesse uma qualquer câmara para um qualquer canal de tv, a moralizar aquelas massas inconscientes e, quiçá até, prevaricadoras.

E no talho nem está sol. Pelo contrário, o ambiente é muito fresquinho e propício a virulências.

Também fico atónito perante aquela senhora que enche três carrinhos do supermercado com rolos de papel higiénico e com a última vintena de pacotes de guardanapos de papel, ainda existentes na prateleira. Será o receio de alguma pandemia de dejectos?

Ou perante a descontrolada e chorosa funcionária, chamada a trabalhar no seu turno de descanso, porque «isto está pior do que no Natal», debulhada em lágrimas no limiar da exaustão, ainda que soltando risadinhas nervosas perante o despautério aquisitivo de algum cliente do tipo vale-mais-prevenir… apresentando-lhe para pagamento duas dezenas de caixas de comida para cachorro.

E aquele senhor, na feira de Carcavelos, que me disse, ainda hoje, que lhe parecia muito mal o açambarcamento, mas que não era nada mal pensado precavermo-nos para o dia de amanhã, não vá o Diabo tecê-las, e até já tinha um quartinho destinado a armazenar aquelas coisitas que fazem sempre falta… Quando lhe perguntei sobre o papel higiénico, diz-me ele «e porque não?».

Apesar de toda esta gente estar a exercer o seu direito de adquirir o que lhe dê na gana, se calhar, há alguma esquizofrenia nisto tudo… Para não lhe chamar loucura colectiva, claro. Em dois dias, sem qualquer indício de coisa nenhuma, o povo pirou? Este mundo está perigoso!

bom ano de 2020

Iniciado «oficialmente» em 01 de Janeiro de 2004, este espaço salta, a pés juntos, para o seu décimo sexto ano de existência. Aos que o frequentam ou frequentaram, um forte abraço. Para os que nem sonham com a sua existência, um forte abraço, também.

Cada ano, cada átimo temporal, é sempre muito o que dele fazemos. Façamos, pois, todos um excelente 2020!

E deixo-vos com um apontamento, a propósito, do qual recomendo visualização, criado pelas SaganSeries, e que se refere ao tanto que convosco quero partilhar neste momento:

https://www.youtube.com/watch?v=oqwezkvcVLg

reflexão natalícia (mas pouco…)

Assisto (assistimos) incrédulo ao afã com que inúmeras autarquias nos anunciam a queima do «madeiro do Natal ou do Ano Novo», como uma espécie de ex libris de engrandecimento da terra e respectivas gentes…

E, lá está, vemos, ouvimos e lemos e, se calhar por mau-feitio pouco esclarecido, percebemos mal. Pelo menos, eu não percebo mesmo nada.

Então, eles são os flagelos dos incêndios (sempre dantescos), ele é a emissão de carbono e de gases com efeito de estufa, ele é a salvaguarda do património florestal, elas são as famílias carenciadas sem lenha para se aquecerem, porque ao preço da electricidade não chegam, e os senhores autarcas a que temos direito o melhor que lhes ocorre é incendiarem um madeiro, durante dias a fio, para engrandecimento das terras?

Valha-nos um burro aos coices, como diria um velho professor que eu tive!

os cães e as vacas e alguma necessária racionalidade

Nada me move contra novas iniciativas partidárias, coisa (quase) sempre saudável, em Democracia, mormente se se trata de congregações que se predispõem a assumir o jogo democrático.

Mas o direito à opinião é um aspecto muito querido, também, deste jogo democrático. Vem a este propósito uma abordagem interessante que mão amiga me fez chegar e que aqui partilho, com a devida vénia, acerca de algumas abordagens algo peculiares que por aí circulam:

Já agora, acrescentaria eu que, ainda por cima, a grande generalidade das rações disponíveis no mercado são importadas, aspecto do qual a balança comercial decerto se ressentirá…

as eleições estão à porta…

(Ai, a pena que eu tenho de não ter tempo para me dedicar com mais e maior afinco a este meu cantinho, tão entregue ao abandono…)

Enfim, aí estão as eleições para a Assembleia da República. Votarei? Sempre! Acompanho a campanha? Nunca (com especial incidência no que se refere às diversas televisões)!

Mas com a arrogância que caracteriza aqueles que que presumem ter algumas convicções na vida, sempre vos digo que todos devemos votar. Nenhum cidadão é neutro. Isso é coisa que não existe.

Respiramos, comemos, bebemos… e tudo o mais que vos ocorra nós fazemos. E, mesmo quando presumimos o contrário, certo é que nunca o fazemos sozinhos. A montante ou a jusante dos nossos actos estão sempre os nossos semelhantes que, quando não partilham a execução dos nossos actos, colhem sempre o efeito dos mesmos.

Nenhum homem é uma ilha, não é verdade? Então, vote lá, se faz o favor. Não custa muito e vai ver que se sentirá, logo a seguir, um exemplar de homo sapiens muito mais livre.

O resto… é a vida, como dizia o outro.