desperdiçados de todo o mundo, uni-vos!

Pois é… Nas deambulações matinais no esplêndido areal de Carcavelos, hoje, deu-me para a recolha de desperdícios que o mar traz à costa. E são tantos, senhores, que a melhor boa vontade se revela, rapidamente, incapaz de capaz cumprimento!

Mas, enfim, o lixo que eu retire não fica lá, como diria algum avisado senhor de la Palice. E assim foi que recolhi tanto quanto um providencial saquinho – de plástico, também, claro –  me permitiu.

Pazinhas, baldinhos, brinquedinhos – como me ocorre de um pregão que ouvia na infância balnear -, tudo por ali pulula, ponteado profusamente por tampinhas, restinhos de redes e fiozinhos de pesca e miríades de pauzinhos de cotonetezinhas. Um verdadeiro bazar a céu aberto, do qual se diria que apetece basar quanto mais depressa melhor…

Chegado a casa, despejado o espólio da caçada de uma escassa meia-hora passada no areal, falta, ainda, separar os lixos vários, mormente as tampinhas que servirão, talvez e numa lógica assaz inconsistente, mas que lá vou cumprindo, para adquirir cadeirinhas de rodinhas para instituiçõezinhas que estejam mal instituídas, coitadinhas, mas que precisem para os seus eventuais utentes.

Ainda assim e mal por mal, sempre é coisa mais coerente do que o banquinho alimentarzinho da Isabel Jonetezinha, onde, como alguns sabem e outros fazem por não pensar nisso, quem mais ganha são as grandes superficiezinhas.

passando uns dias em aprazível destino

Se excluirmos as inversões de marcha em autoestrada, na geringonça, ou a constância exorbitante dos combustíveis, da energia, da água, a vida vai…

Um tempo de deslocação da «zona de conforto» é sempre uma alegria, excepto quando não é. Também pode ser de razoável eficácia nas nossas vidas, excepto quando não é.

Mas o homem lusitano porfia a descoberta, seja em longínqua caravela quinhentista, seja em moderno tuc-tuc, que nos desvende os recônditos mais inacessíveis do espírito dos locais e das gentes.

Breve exemplo do dédalo onde estamos instalados…

Pela manhã, alguns autóctones vieram desfrutar do calor do sol no parapeito da janela, assim a modos de nos darem os bons dias e antes de se fazerem à vida.

E – lá está! – uma bela praia, razoavelmente sossegada, ainda que o malvado anticiclone dos Açores tenha rumado a Norte e nos tenha deixado a água gelada. Mas queixamo-nos de quê?

Enfim, a minha desgraçada consciência cidadã não percebe muito bem porque é que todos os restaurantes deixaram de aceitar qualquer tipo de cartão de pagamento e seja preciso mendigar o sempre esquecido recibo… Isso é que me deixa com algumas suspeitas quanto à «avassaladora vaga de turismo» e os correspondentes benefícios para a nação.

Mas isso sou eu que tenho a mania…

 

estou capaz de assinar por baixo….

Por mão amiga chegou-me o texto abaixo, que reputo de muito interessante e, por tanto, aqui partilho convosco:

– Por Abílio Hernandez, in Facebook – 12/07/2018

SIM, A CROÁCIA JOGA BEM, MAS…

Caros amigos,

Que fervoroso entusiasmo por aí vai no apoio à selecção da Croácia (que joga muito bem, sublinhe-se) com o desejo ardente que ela vença a França na final do Campeonato do Mundo!

A propósito dessa selecção de que tanto gostais (e que, repito, joga muito bem), gostava de vos lembrar o seguinte:

– Depois de a Croácia eliminar a Rússia, o defesa-central croata Vida gritou “Glória à Ucrânia” num vídeo de exaltação ao regime fascista de Kiev.

– Antes disso, no final da vitória sobre a Argentina (3-0), na fase de grupos, o central Lovren partilhou um vídeo nas redes sociais em que aparece ao lado de outros jogadores croatas a cantar “Bojna Cavoglave”, tema usado pelos Ustase, movimento nazi que assumiu o poder no Estado Independente da Croácia durante a Segunda Guerra Mundial, e que levou a cabo uma “purificação racial” em que as milícias fieis ao governo executaram centenas de milhares de pessoas, entre sérvios, judeus, ciganos e antifascistas.

– Em 2015, no desafio com a Itália, um pedaço do relvado próximo do centro do terreno foi cortado pelos jardineiros croatas de modo a formar uma cruz suástica.

– Em 2013, no final do jogo que classificou a Croácia para o Campeonato do Mundo do Brasil, Simunic, que era o capitão da selecção croata, cantou, juntamente com a claque, cânticos nazis, enquanto fazia saudações nazis.

– Actualmente – mas o que é isso em comparação com a mestria deles com a bola – Lovren e Luka Modric são suspeitos de envolvimento num esquema de corrupção que envolve transferências destes jogadores.

Tomar partido a favor ou contra equipas de futebol, seja de clubes seja de selecções, é, como todos sabemos – e exemplificamos  – uma escolha carregada de subjetividade e mesmo de irracionalidade. E quando uma equipa joga tão bom futebol, a escolha pode tornar-se, afinal, mais racional.

E que bem joga a monocolorida Croácia!

Mas eu, que por vezes gosto de tornar as coisas mais subjetivas, prefiro apoiar a França multicolorida de Mbappé, Umtiti, Pogba, Giroud, Dembélé, Varane, Hernández (et pour cause), Kanté, Griezman, Rami, Matuidi, Lloris…É arbitrária a minha escolha? Vale pouco? Vale o que vale!

Vive la France!

Esta opinião, digna do maior crédito, suscitou-me, também, uma reflexão que, então, aqui partilho:

Ora, eu também assinaria por baixo… Apenas com uma reticência – que nem será muito relevante no maior contexto da «coisa»: é que «aquela» França também não reflecte o estado geral da França, enquanto nação e país, mas tão-só um aproveitamento útil de quantos migrantes lá foram historicamente desaguando.

Será, pois, a imagem de uma integração que tem pouca correspondência com a realidade global francesa.

Recorrendo a expressões televisivas tão na moda como inconsequentes, diria que afinal o futebol é só que é e vale o que vale… e, quanto ao resto, nem tenho palavras.

Mas, ainda assim, no que se refere a estes cidadãos franceses-à-brava, estaremos a alguns anos-luz de qualquer cruz suástica ou saudação nazi.

Por isso, sim, lá terei de torcer pela França, ainda que a Croácia jogue, de facto, com uma «alma» invejável. Se calhar – e armando-me em sociólogo e antropólogo de trazer por casa – o que vai faltando ao «mundo ocidental» é, exactamente, a existência de uma alma, que vem sendo tão delapidada por tanto anacrónico centralismo «bruxeliano».

azulejos da estação de comboios de
Duas Igrejas (Trás-os-Montes)

No Nordeste Transmontano, com a incúria a que estamos tão (mal) habituados, jaz morta e arrefece a estação de comboios de Duas Igrejas.

Terminal da linha férrea de Trás-os-Montes, quedou-se esta por Duas Igrejas – não chegando a Miranda do Douro por meia dúzia de escassos quilómetros -, por ser ali o local dos silos cerealíferos da conhecida «campanha do trigo» do Estado Novo – sim, que também ocorreu em Trás-os-Montes e não apenas no Alentejo. Enfim, levar pessoas até à capital do concelho não faria falta… Bastava alcançar os cereais.

Por estas e outras razões que a razão vai desconhecendo, antes como agora fazem-se coisas estranhas que se deixam, depois, desfazer estranhamente sem que, entre esses dois tempos, o cidadão se sinta envolvido, participante ou cúmplice.

Chamo a vossa atenção para o curioso do cartaz afixado e para a circunstância de todo o interior do edifício estar a ameaçar ruína. Ou seja, o eventual roubo está acautelado; a mais que provável derrocada, não sabemos… Sem mais comentários, aqui ficam as imagens:

escultura a propósito da actual situação no Brasil

Fantástica escultura do artista dinamarquês  JENS GALSCHIOT. Uma justiça obesa, ociosa e parasita,  sustentada  pelo povo miserável e quebrado com sofrimento. Nenhuma imagem  conseguira  retratar, de forma tão fiel como essa, o Judiciário brasileiro. Deveria haver uma réplica em frente ao STF*, em Brasília.

  * Supremo Tribunal Federal

Será apenas no Brasil…?

inquietação encalhada

O cargueiro encalhou no baixio junto ao Bugio. Para além da rima intempestiva, nada de novo a assinalar.

Mas a informação absolutamente colateral de que o cargueiro transportará areia para Marrocos deixa-me na maior das perplexidades:

  • ou a minha ignorância tem transcendências insondáveis e, como se apura, inexploradas…
  • ou uma questão terá certa relevância e apropósito: areia para Marrocos? Mas, então, o Sahara não fica ali tão perto…?