Naves in Petri

Uma vaidade: numa apreciação lisonjeira e, do meu ponto de vista, merecida, à obra sobre a calçada portuguesa do meu amigo Ernesto Matos em conjunto com António Correia, Naves in Petri, publicada na Revista da Marinha, fica também um apontamento à minha colaboração neste trabalho sobre a calçada portuguesa que, obviamente, me honra. Aqui fica:

No artigo informam-se os interessados de como aceder a este belo livro.

isto, agora, são outros 70…

Amizades,

Era eu então, fotógrafo amador, lá pelos idos de 70, entre os meus 18 e os 22 anos, em busca de créditos e de caminhos para a vida, e assim fui captando imagens do Portugal onde vivia e por onde passava.

Imagens que descansaram em gavetas esquecidas até termos tropeçado com a pandemia e com o malfadado confinamento, o que teve, entretanto, o mérito de nos dar tempo para aquilo que tinha ficado sem tempo.

Entre breves legendas e largas imagens, 384 páginas de evocações de vivências, entre 1971 e Maio de 1974, muito no contexto do que se convencionou chamar fotografia social, saem, agora à luz do dia em livro que se intitula «Isto, agora, são outros 70…», com edição da Apenas Livros, projecto de design e paginação do fimdomeio, impressão da Publirep e o apoio da Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras.

Não pretendendo, de modo algum, ser um retrato completo do Portugal daquela época, é, entretanto, boa parte do Portugal que os meus olhos viram.

Aos interessados informo que o seu custo é de 25 euros, com portes incluídos. A encomenda que pretendam fazer, peço-vos o favor de a dirigirem para o meu email (jc.orca@gmail.com), com a indicação do vosso nome e do endereço para o qual pretendem o envio. Na resposta, indicarei o NIB para o qual deverá ser efectuada a transferência. E desejo a todos que o adquiram uma inspiradora viagem retrospectiva que tenha artes de nos apontar o futuro.

Com um forte abraço,

Jorge Castro


Naves in Petris

Sabem do que se trata? Pois bem, trata-se do mais recente trabalho de um infatigável lutador em prol da calçada portuguesa, o bom amigo Ernesto Matos – https://sites.google.com/site/ernestomatosimagens – (design gráfico e fotografia), desta feita, numa parceria com o escritor António Correia.

A participação, em forma de poema, foi aberta a vários autores e também me coube a honra de ser um dos convidados.

Aqui vos deixo uma parte dessa minha participação, em forma de:

QUADRAS SOLTAS NA CALÇADA

ao enquadrarmos a quadra
nos quadrados da calçada
as pedras são a palavra
os versos fazem-se estrada

lanço versos na calçada
como quem suspira amores
e a pedra esbranquiçada
vai-se enchendo de mil flores

pela mão que a pedra dome
pelo sonho feito anseio
dessa dura pedra informe
faz-se um mar nalgum passeio

as calçadas são abraços
vão da minha casa à tua
nelas desenhei os passos
que vão dar à minha rua

veja lá tenha cuidado
ao poisar seu pé no chão
pois que as pedras da calçada
foram bordadas à mão

vejo remos redes barcos
a bordejarem a praça
são na calçada seus marcos
lembrando o mar a quem passa

não sei porque tomam jeito
assim as pedras do chão
pareciam postas a eito
mas formam um coração

português por teus esteios
ao mundo deste grandeza
e nele lavraste os passeios
em calçada à portuguesa

lavrei-te a quadra num cravo
com Santo António pela mão
surgiu em ti um mar bravo
nesta calçada em mar-chão

lanço versos na calçada
como quem suspira amores
e a pedra esbranquiçada
vai-se enchendo de mil flores

  • Jorge Castro

Literatura e Cultura
em tempos de pandemia

Este o título da colectânea organizada e acabada de publicar pela UCCLA-União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e com distribuição da Guerra e Paz , em que tive o gosto e a honra de participar, lado a lado com outros 74 autores, com dois poemas de minha autoria, articulados com a problemática pandémica que vivemos.

Brasil, Galiza-Espanha, Cabo Verde, Angola, Portugal, Moçambique, Olivença-Espanha, Guiné-Bissau, Macau, São Tomé e Príncipe, Goa e China, de todas estas paragens vieram as participações com que me apraz estar irmanado.

Respigo da Apresentação:

«A pandemia causada pelo vírus SARS-Covid-2 atingiu, de forma inesperada e dramática, toda a Humanidade, obrigando à adoção de planos de contingência, também adotados pelas cidades dos Países de Língua Oficial Portuguesa representados pela UCCLA, que determinaram constrangimentos de mobilidade e distanciamento.(…)

A UCCLA não podia, logo no início da pandemia, deixar de fazer um apelo à reflexão sobre o papel da cultura no combate à Covid-19.

Perante este flagelo, povos e países viram-se confrontados com novos desafios sociais e políticos sobre os quais importa refletir e encontrar novas respostas.

Daí que, neste contexto, a UCCLA fez um apelo dirigido aos homens e mulheres da Cultura, em especial aos escritores, desafiando-os a contribuir para essa reflexão.

O livro que agora se apresenta é o resultado desse nosso apelo.»

poemas dispersos e com sentidos

Caras amizades que por aqui passeiam,
Hoje, estou a anunciar-vos o nascimento do meu mais recente livro, Poemas Dispersos e com Sentidos, com edição, como habitualmente, da Apenas Livros e o apoio à edição por parte da Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras.
Lamentavelmente, pelas razões com que todos convivemos, desta feita não farei qualquer sessão de lançamento ou de apresentação. E o livro também não estará disponível, por opção do autor, nos espaços comerciais.


Respigo do seu prefácio: «Os tempos que vivemos são estranhos à vida. Demasiado torpes pela mão do ser humano, que vem povoando o mundo com jeitos de mal viver e sem qualquer engenho ou arte manifesta para inverter a corrente dominante.
Este meu livro tem a veleidade de pretender fotografar esse mundo fugaz e episodicamente, através das imagens que nos estão geograficamente mais próximas. E, apesar dos pesares, com a réstia de esperança necessária, imperiosa e sempre urgente


Também não chegamos (ainda) ao estadio em que vo-lo possa oferecer… Mas posso informar-vos que, com as suas 110 páginas e capa com badanas, o seu custo é de 10 €, com despesas de porte incluídas.
Assim, bastará que os interessados me façam chegar, através do email jc.orca@gmail.com, o nome e a morada de recepção e eu disponibilizarei, na resposta, a forma de pagamento respectiva, remetendo de imediato um exemplar assinado, para a morada indicada na mensagem.
Grato pela vossa atenção e esperando contar convosco,

Jorge Castro

GOA – Roteiro de uma viagem

Um bom amigo, João Coutinho, serviu de guia, numa viagem a Goa, em busca das suas raízes, levando consigo um grupo de amigos. Dessa viagem resultou, agora, a publicação de um livro – «Goa – Roteiro de uma viagem» -, em co-autoria do João Coutinho com Conceição Zagalo, Constança Vasconcelos, Graça Pacheco Jorge e Ana Bela Mendes e edição da Modocromia, livro que condensa os diversos olhares e sentires colhidos nesse périplo, através de imagens fotográficas, pinturas, notas gastronómicas, descrição de lugares… um sem fim.

O livro encontra-se disponível nas grandes livrarias. Em minha opinião: imperdível.