Literatura e Cultura
em tempos de pandemia

Este o título da colectânea organizada e acabada de publicar pela UCCLA-União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e com distribuição da Guerra e Paz , em que tive o gosto e a honra de participar, lado a lado com outros 74 autores, com dois poemas de minha autoria, articulados com a problemática pandémica que vivemos.

Brasil, Galiza-Espanha, Cabo Verde, Angola, Portugal, Moçambique, Olivença-Espanha, Guiné-Bissau, Macau, São Tomé e Príncipe, Goa e China, de todas estas paragens vieram as participações com que me apraz estar irmanado.

Respigo da Apresentação:

«A pandemia causada pelo vírus SARS-Covid-2 atingiu, de forma inesperada e dramática, toda a Humanidade, obrigando à adoção de planos de contingência, também adotados pelas cidades dos Países de Língua Oficial Portuguesa representados pela UCCLA, que determinaram constrangimentos de mobilidade e distanciamento.(…)

A UCCLA não podia, logo no início da pandemia, deixar de fazer um apelo à reflexão sobre o papel da cultura no combate à Covid-19.

Perante este flagelo, povos e países viram-se confrontados com novos desafios sociais e políticos sobre os quais importa refletir e encontrar novas respostas.

Daí que, neste contexto, a UCCLA fez um apelo dirigido aos homens e mulheres da Cultura, em especial aos escritores, desafiando-os a contribuir para essa reflexão.

O livro que agora se apresenta é o resultado desse nosso apelo.»

poemas dispersos e com sentidos

Caras amizades que por aqui passeiam,
Hoje, estou a anunciar-vos o nascimento do meu mais recente livro, Poemas Dispersos e com Sentidos, com edição, como habitualmente, da Apenas Livros e o apoio à edição por parte da Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras.
Lamentavelmente, pelas razões com que todos convivemos, desta feita não farei qualquer sessão de lançamento ou de apresentação. E o livro também não estará disponível, por opção do autor, nos espaços comerciais.


Respigo do seu prefácio: «Os tempos que vivemos são estranhos à vida. Demasiado torpes pela mão do ser humano, que vem povoando o mundo com jeitos de mal viver e sem qualquer engenho ou arte manifesta para inverter a corrente dominante.
Este meu livro tem a veleidade de pretender fotografar esse mundo fugaz e episodicamente, através das imagens que nos estão geograficamente mais próximas. E, apesar dos pesares, com a réstia de esperança necessária, imperiosa e sempre urgente


Também não chegamos (ainda) ao estadio em que vo-lo possa oferecer… Mas posso informar-vos que, com as suas 110 páginas e capa com badanas, o seu custo é de 10 €, com despesas de porte incluídas.
Assim, bastará que os interessados me façam chegar, através do email jc.orca@gmail.com, o nome e a morada de recepção e eu disponibilizarei, na resposta, a forma de pagamento respectiva, remetendo de imediato um exemplar assinado, para a morada indicada na mensagem.
Grato pela vossa atenção e esperando contar convosco,

Jorge Castro

GOA – Roteiro de uma viagem

Um bom amigo, João Coutinho, serviu de guia, numa viagem a Goa, em busca das suas raízes, levando consigo um grupo de amigos. Dessa viagem resultou, agora, a publicação de um livro – «Goa – Roteiro de uma viagem» -, em co-autoria do João Coutinho com Conceição Zagalo, Constança Vasconcelos, Graça Pacheco Jorge e Ana Bela Mendes e edição da Modocromia, livro que condensa os diversos olhares e sentires colhidos nesse périplo, através de imagens fotográficas, pinturas, notas gastronómicas, descrição de lugares… um sem fim.

O livro encontra-se disponível nas grandes livrarias. Em minha opinião: imperdível.

participação no livro
Manual – Principiantes de Pau-Luta – Arte Marcial Portuguesa

Por entre as diversas participações em que muito me honra ter o meu nome associado, desta feita surge uma obra, de há longo tempo esperada e que daqui saúdo, como primoroso exemplo de mais uma manifestação cultural muito portuguesa: Manual – Principiantes da Pau-Luta – Arte Marcial Portuguesa.

Da autoria de Manuel Monteiro e de Álvaro Santos Pato, este último antigo conhecimento das lides da Poesia Vadia, na Livraria Ler Devagar, ao Bairro Alto, que em boa hora me sugeriu a criação de um poema para integrar esta obra, tão original quanto necessária e que foi lançada ontem, dia 04 de Maio, na Cinemateca, em Lisboa.

capa sobre pintura de Dinara Slonimskaya

Respigo do texto de apresentação: Este manual de ensino foi concebido como um instrumento de trabalho elaborado fundamentalmente para quem quer aprender ou aperfeiçoar a técnica do manejo do pau.

A arte, tão genuinamente portuguesa, da luta do pau na qual, como em tantas outras coisas, parece muito pouco termos a aprender com «os de fora», e cujas origens se perdem nos tempos primordiais da pastorícia…

E, já agora, uma pequena curiosidade: sabem qual o nome da árvore que fornece a matéria-prima para os paus? Pois trata-se do lódão ou lódão-bastardo (celtis australis L.), árvore comum em Portugal. E, já agora, resistente ao fogo…

O Mar em Nós apresentado nas Caldas da Rainha
– algumas imagens

Por convite e com organização da Comunidade de Leitores e de Cinéfilos das Caldas da Rainha apresentei, no passado sábado, dia 13 de Outubro, o meu livro O Mar em Nós, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha.


Palmira Gaspar inicia a sessão e apresenta o seu programa geral. 

De seguida, Carlos Gaspar apresenta, perante uma sala muito confortavelmente preenchida, o grupo musical Sexteto 5+1, de A-dos-Francos, constituído por cinco clarinetes e um saxofone, sendo as suas jovens intérpretes a Rafaela Esteves, a Margarida Lourenço, a Beatriz Estêvão, a Ana Rita Louro, a Sara Lourenço e a Mafalda Filipe.

Não foi esta a primeira vez que contei com a companhia deste grupo – que integra, também, a Orquestra Juvenil de A-dos-Francos, dirigida pelo Maestro Diogo Esteves – e espero bem que não seja a última, não só pelo nível de execução, mas até pelo claro sinal de esperança e vitalidade que representam.

Destaco, dos números interpretados, a versão do Summertime (Porgy and Bess), de George Gershwin, que me encheu as medidas.

De imediato passámos à apresentação de O Mar em Nós, anunciado por Palmira Gaspar

… que anunciou David Silva, o qual, por sua vez, fez uma dissertação sobre a obra e o autor indissociável, conforme as suas palavras, da relação de amizade que nos une já de longa data. Não me competindo ser juiz em causa própria, direi apenas que me terá surgido um brilhozinho nos olhos e o Sérgio Godinho nem estava presente…

Passei, então, à leitura de poemas, após algumas considerações sumárias acerca dessa mania incontrolável de se escrever um poema, através de alguns porquês que me parece terem recebido acolhimento muito favorável pela assistência.

E, pronto, assim se cumpriu mais uma jornada neste caminhar, com a costumeira sessão de autógrafos, entretanto sempre renovada pelas circunstâncias específicas que rodeiam cada apresentação. Venham de lá mais…

  • Fotografias de Lourdes Calmeiro e de Lídia Castro