Naves in Petri

Uma vaidade: numa apreciação lisonjeira e, do meu ponto de vista, merecida, à obra sobre a calçada portuguesa do meu amigo Ernesto Matos em conjunto com António Correia, Naves in Petri, publicada na Revista da Marinha, fica também um apontamento à minha colaboração neste trabalho sobre a calçada portuguesa que, obviamente, me honra. Aqui fica:

No artigo informam-se os interessados de como aceder a este belo livro.

Viagem breve ao fértil mundo das coisas pequenas e desinteressantes

Pois isto de passear os canitos, ali pelo meio da praia cheia de gente, é giro!
Então o esplendor de mandar uns pontapés, cheios de pujança, na bola em plena época balnear, é giro!
O estrondear de um tema musical (com reservas) bate-estaca num pôr do sol na esplanada junto ao mar, é giro!
Um arraial, porventura dedicado ao Santo Eucarário, que os outros santos estão esgotados, coitados, em alta grita pela noite dentro quando não foguetório, que sempre favorece incêndios, em dia de trabalho, é giro!
Ocupar ciclística ou trotinetisticamente uma estrada com uma faixa destinada a ciclistas mesmo ali ao lado, que, por sinal, roubou espaço aos peões, é giro!
Estão a ver como é simples alcançarmos a felicidade? Basta seguir na vida vitoriando o que é giro… e prontos!

um postal para ti, no dia de Camões

e daí onde te sentas
seja no lugar mais próximo do sol poente
ou na alvura tensa de uma alvorada
pressentes ainda a voz de Camões?
pressentes a aventura?
a tempestade?
o perder-se de amores e desamores
que o amor nos traz?
o ser-se maior que o mundo
naquele momento em geral fugaz
para tanto nos sobrando engenho e arte?
e não só ser-se pequeno
e incapaz
com o medo de ser grande em qualquer parte?

ouves
então e ainda esse Camões
que celebramos sem deter um pensamento
no saber porque foi grande
e das razões
que o amarram a Portugal
impenitente?

feliz sejas
então
e venturoso
e que percorras o caminho esperançoso
do teu passado a caminho do futuro.

  • Jorge Castro
    10 de Junho de 2022

o Arqueiro, da aldeia de Picote

Hoje, em jeito de homenagem às gentes da Terra de Miranda, mormente para todos aqueles que nos dão um exemplo de perseverança e de combate por aquilo que consideram justo – e com os quais me solidarizo plenamente -, aqui fica a minha réplica, de novo em xisto desperdiçado, do famoso Arqueiro, que se encontra gravado desde tempos imemoriais na Fraga do Puio, na aldeia de Picote.

paleoliticamente empenhado…

Um pedaço de xisto num entulho… Por vezes, parece que as coisas falam connosco.
Este acenou-me quando eu passava e evocou Foz Côa. As imagens que os nossos ancestrais legaram a quem passa e que povoam as nossas mentes. Pelo menos, algumas, enfim….
E considerei restituir alguma dignidade àquela pedra abandonada em desperdício.
A bráctea da buganvília confere-lhe escala. E a pedra passou a habitar a minha casa.