Pico – Açores – Setembro de 2021 – A saga

Recepção, à chegada do voo da SATA
Vista da janela do meu quarto – possibilidade de sonhar acordado.
(São Jorge em fundo)
Primeiro visitante autóctone, a anunciar a exuberância das flores.
Segundo visitante autóctone, agora em chão de lava.
O bucolismo das paisagens… A calma fresca do ar que se respira… Ah, Açores, prouvera que não permitisses que o turismo que tudo destrói te destrua.
Esta simpática veio averiguar se não estragávamos o que estava.
Na Lagoa do Capitão, a resistência das árvores.
Não há bela sem senão. Nos Açores, a conteira (Hedychium gardnerianum) é uma planta invasora cuja proliferação prejudica grandemente a flora autóctone. Ainda assim, e seguindo a pujança que as flores mostram por aquelas paragens, é de uma beleza apelativa.

a ti, Porto
(apontamentos de viagem)

Tu sabes que eu te visito pouco. Trago saudades que, depois, levo. Mas sinto a falta, de longe em longe, da neblina que vem do rio e daquele «timbre pardacento», do Carlos Tê, que faz lembrar um portal do tempo a transportar-me para lá da vida.

Então eu cá venho, de longe em longe, pagar tributo de nascimento. A ver o Douro encrespar-se ao mar, espreitar furtivo e malicioso as pernas das pontes todas que o vão cruzando. O casario a vê-lo passar, espreitando-o por mil janelas, ora dourado, a fazer jus ao nome, ora eivado de tons de azul, em diálogo de nuvens, e carreando barcos que levam tantos turistas quantas as pipas que, antes, traziam.

Rabelos sem velas desvendam as tuas margens, mas não mostram os teus segredos. As carqueijeiras a penar íngremes ladeiras. A canalha a mergulhar no rio à cata das cinco coroas lançadas por mão pródiga, quando não do mísero tostão. O vozear das crianças, nas «ilhas», a modos que creches de aflição, ou o menino de pé descalço que cantava, pelas esquinas, acompanhado pelo pai, com uma guitarra velha, e vendendo as letras, para arrecadar os tostões da sobrevivência. As lavadeiras a ensaboar as tuas águas de conversas brejeiras e palavrão de exorcizar pecados velhos, a perna ao léu que tinha sempre mirones a apreciar. As cheias, que subiam pelas casas acima, na zona ribeirinha, e que eram tanto espectáculo como aflição de rotina. A faina do rio, com o Gastão, pelo meio do enredo, a salvar vidas ou a resgatar corpos…

Quero confessar-te que nada tem de nostalgia esta minha conversa. Mas, mal atravesso uma das várias pontes que me fazem chegar a ti, estas memórias saltam-me, recorrentes. E que lhes hei-de eu fazer? Contrariá-las? Nem pensar… E, depois, eu fazia-me de quê?

  • Jorge Castro
    15 de Setembro de 2021

Jorge Sampaio

(Lisboa, 18 de setembro de 1939 – Carnaxide, 10 de setembro de 2021)

Quando nos lamentamos por ausência de valores ou de referências nas nossas vidas que possamos transmitir às gerações vindouras, para além de nos auxiliarem a nós próprios a trilhar a dureza dos dias, lembremo-nos de um nome, que é um exemplo maior:

JORGE SAMPAIO

um poema talvez nostálgico

  • o que, por vezes, pode acontecer a qualquer um

cada verdade cria sob os nossos pés
o terreno instável espelhando estrelas
mas avançamos inseguros
sempre imprudentes
resvalando em covas de dimensão ignota
atolando-nos no pântano das convicções profundas
de onde emergimos por vezes inteiros
por vezes mais sábios
por vezes mais néscios
e criando deuses
que são como árvores entre neblinas
na nua paisagem
a anunciar guarida de incerta certeza
ou fogos fátuos
como faróis em costas de rochas agrestes
que se apagam prestes à chegada ao porto
para que o destino seja tremendo e incerto
e ainda assim lá vamos
um passo atrás de outro e outro depois
em busca do tempo
que passa por nós sem deixar aviso
e que nos vai deixando ficar para trás
para que o persigamos
para que o alcancemos
naquela utopia a que chamamos vida
onde todos corremos sem olhar para trás

e assim nunca vemos
aqueles que correm atrás desse tempo
connosco irmanados e tão lado a lado
que chega a parecer um só elemento
que infinitos espelhos replicam até
parecer – a quem queira olhar bem para ver –
haver um só corredor
chamado Humanidade.

  • Jorge Castro
    03 de Setembro de 2021

tu

TU

  • num dia em que dediquei uma manhã inteira a ouvir algumas das canções da minha vida, uma homenagem a todos quantos fazem da canção uma flor, uma ilusão e um combate

tu
meu amigo de sempre e meu irmão
que empunhas a canção
que me transporta
com a flor
a ilusão
e o combate
mas que vibra sempre em mim
pelo tempo fora
dás-me um mundo melhor para viver
e o sonho
de sonhar bem acordado
tu
serás para sempre a luz na treva
a esperança em cada novo amanhecer
mesmo no tempo de morte
e de desnorte
a vibrante evocação de acontecer
a emoção
que vem do fundo de nós
o arrepio
de sempre valer a pena
ser
estar
permanecer
na firmeza indefectível
do viver
a ti
agradeço então
essa canção que me trouxeste
e o quanto do que sou
a ti o devo
a ti
e à canção que me transporta
com a flor
a ilusão
e o combate
na alegria indefectível
de viver.

  • Jorge Castro
    21 de Agosto de 2021