um postal para ti, no dia de Camões

e daí onde te sentas
seja no lugar mais próximo do sol poente
ou na alvura tensa de uma alvorada
pressentes ainda a voz de Camões?
pressentes a aventura?
a tempestade?
o perder-se de amores e desamores
que o amor nos traz?
o ser-se maior que o mundo
naquele momento em geral fugaz
para tanto nos sobrando engenho e arte?
e não só ser-se pequeno
e incapaz
com o medo de ser grande em qualquer parte?

ouves
então e ainda esse Camões
que celebramos sem deter um pensamento
no saber porque foi grande
e das razões
que o amarram a Portugal
impenitente?

feliz sejas
então
e venturoso
e que percorras o caminho esperançoso
do teu passado a caminho do futuro.

  • Jorge Castro
    10 de Junho de 2022

o Arqueiro, da aldeia de Picote

Hoje, em jeito de homenagem às gentes da Terra de Miranda, mormente para todos aqueles que nos dão um exemplo de perseverança e de combate por aquilo que consideram justo – e com os quais me solidarizo plenamente -, aqui fica a minha réplica, de novo em xisto desperdiçado, do famoso Arqueiro, que se encontra gravado desde tempos imemoriais na Fraga do Puio, na aldeia de Picote.

paleoliticamente empenhado…

Um pedaço de xisto num entulho… Por vezes, parece que as coisas falam connosco.
Este acenou-me quando eu passava e evocou Foz Côa. As imagens que os nossos ancestrais legaram a quem passa e que povoam as nossas mentes. Pelo menos, algumas, enfim….
E considerei restituir alguma dignidade àquela pedra abandonada em desperdício.
A bráctea da buganvília confere-lhe escala. E a pedra passou a habitar a minha casa.

isto, agora, são outros 70…

Amizades,

Era eu então, fotógrafo amador, lá pelos idos de 70, entre os meus 18 e os 22 anos, em busca de créditos e de caminhos para a vida, e assim fui captando imagens do Portugal onde vivia e por onde passava.

Imagens que descansaram em gavetas esquecidas até termos tropeçado com a pandemia e com o malfadado confinamento, o que teve, entretanto, o mérito de nos dar tempo para aquilo que tinha ficado sem tempo.

Entre breves legendas e largas imagens, 384 páginas de evocações de vivências, entre 1971 e Maio de 1974, muito no contexto do que se convencionou chamar fotografia social, saem, agora à luz do dia em livro que se intitula «Isto, agora, são outros 70…», com edição da Apenas Livros, projecto de design e paginação do fimdomeio, impressão da Publirep e o apoio da Espaço e Memória – Associação Cultural de Oeiras.

Não pretendendo, de modo algum, ser um retrato completo do Portugal daquela época, é, entretanto, boa parte do Portugal que os meus olhos viram.

Aos interessados informo que o seu custo é de 25 euros, com portes incluídos. A encomenda que pretendam fazer, peço-vos o favor de a dirigirem para o meu email (jc.orca@gmail.com), com a indicação do vosso nome e do endereço para o qual pretendem o envio. Na resposta, indicarei o NIB para o qual deverá ser efectuada a transferência. E desejo a todos que o adquiram uma inspiradora viagem retrospectiva que tenha artes de nos apontar o futuro.

Com um forte abraço,

Jorge Castro


afinal, Putin é o quê?

No esforço ingente para tentar perceber alguma coisa daquilo que vai pelo mundo, que faz sempre falta como forma elementar de combater insónias, dado que já não estou muito em idade própria para pegar em armas à conta de alguma causa, ocorreu-me esta reflexão, que partilho com quem tenha tempo para aturar reflexões alheias:

Aqueles que olham para Putin como um incontrolável agente do KGB, forjado nas fundições do estalinismo, com inegáveis instintos imperialistas, e, logo a seguir, misturam tudo no cadinho de 1917, receio bem que se tenham perdido nalgum caminho da História… Ou, então, não se perderam, de todo, e sabem muito bem o que dizem e porque o fazem.

Lembram-me, por outro lado e apenas em aparente oposição, aqueles que nos anos 70 clamavam que os «perigosos esquerdistas» que colocavam em pé de igualdade, contra os interesses do mundo, o imperialismo americano e o social-imperialismo russo (lembram-se?) não passavam de reles agentes da CIA.

É destas análises da treta sempre anunciadas como deveras objectivas que vivem, alegremente, tantos comentadores.

A Rússia «soviética» anterior à queda do muro de Berlim era, de facto, uma potência imperialista que teve de se reposicionar, no xadrez político, perante os ventos da História. E era neste contexto que o tal agente do KGB se movia.

A máquina estatal existente foi facilmente adaptável, abandonando uma fachada «socialista», que pouco ou nada mantinha enquanto tal, e assumindo aquilo a que os teóricos do marxismo chamam capitalismo monopolista de estado, sustentado, como qualquer sistema capitalista que se preze, no poder económico, de que os oligarcas, hoje tão falados, são a face visível.

A mistura entre governantes e interesses instalados dir-se-ia pornográfica… e nem é nada a que os povos do chamado mundo ocidental não estejam sobeja e democraticamente habituados no que aos seus próprios governantes diz respeito.

Dito isto, Putin será o governante (leia-se oligarca-mor) de um país que vive sob as regras do mais desenfreado espírito capitalista e onde a simples ideia de democracia não existe, o que, por outro lado, ainda vai subsistindo no tal mundo ocidental, ainda que tantas vezes mascarado já de «faz-de-conta».

Recordemos o desabafo de uma nossa ministra que, ainda há pouco tempo, aludia à eventualidade conveniente de interromper a democracia por alguns meses para levar à prática medidas impopulares…

Para além disto, podemos sempre ter como opção manter as nossas opiniões virgens e puras, coisa que não fará muito sentido no século XXI, convenhamos. O povo ucraniano que o diga.

Como habitualmente, isto é só mesmo uma opinião. Quem sabe se não estarei completamente enganado e mal aconselhado por leituras ínvias e amigos transviados? Minha é que a culpa não deve ser…