desperdiçados de todo o mundo, uni-vos!

Pois é… Nas deambulações matinais no esplêndido areal de Carcavelos, hoje, deu-me para a recolha de desperdícios que o mar traz à costa. E são tantos, senhores, que a melhor boa vontade se revela, rapidamente, incapaz de capaz cumprimento!

Mas, enfim, o lixo que eu retire não fica lá, como diria algum avisado senhor de la Palice. E assim foi que recolhi tanto quanto um providencial saquinho – de plástico, também, claro –  me permitiu.

Pazinhas, baldinhos, brinquedinhos – como me ocorre de um pregão que ouvia na infância balnear -, tudo por ali pulula, ponteado profusamente por tampinhas, restinhos de redes e fiozinhos de pesca e miríades de pauzinhos de cotonetezinhas. Um verdadeiro bazar a céu aberto, do qual se diria que apetece basar quanto mais depressa melhor…

Chegado a casa, despejado o espólio da caçada de uma escassa meia-hora passada no areal, falta, ainda, separar os lixos vários, mormente as tampinhas que servirão, talvez e numa lógica assaz inconsistente, mas que lá vou cumprindo, para adquirir cadeirinhas de rodinhas para instituiçõezinhas que estejam mal instituídas, coitadinhas, mas que precisem para os seus eventuais utentes.

Ainda assim e mal por mal, sempre é coisa mais coerente do que o banquinho alimentarzinho da Isabel Jonetezinha, onde, como alguns sabem e outros fazem por não pensar nisso, quem mais ganha são as grandes superficiezinhas.

convites
– exposição de aguarelas de Eduardo Barata
– espectáculo do MALTA Grupo de Teatro

Caríssimos, aqui ficam duas sugestões para o próximo dia 02 de Novembro e seguintes (ainda que não coincidentes no tempo) em que estão envolvidos dois amigos – Eduardo Barata e Miguel Partidário – que me merecem confiança e consideração e cuja evolução tenho acompanhado com agrado. Os respectivos cartazes contêm a informação necessária para vos levar a bom porto. Se puderem, apareçam. Creio bem que, num caso como no outro, não dareis por mal empregue o tempo:

qual gourmet qual carapuça…!

Então, a coisa é assim:

Sardinha da boa – sim, que neste altura é muito melhor do que nos santos…. – grelhada a preceito, isto é, sem nada mais do que uma pitada de sal e bastando-lhe duas voltas na grelha.

O vinho pode ser verde branco, estupidamente gelado, como se diz na canção.

O preceito da sardinha recomenda, sem imposições, que o animal repouse em fatia de pão (saloio, de forno a lenha e sem os imensos buracos que se tornaram hábito…) no momento da degustação. Assim, o faneco vai ficando impregnado do mais suculento que a sardinha nos reserva, bicho após bicho.

Trata-se, após a última sardinha, de levarmos o pão aos restos do grelhador e deixá-lo, por lá, alguns minutos, até adquirir a consistência de uma torradinha matinal.

Depois, com a maior volúpia  e o que resta do vinho verde, fazer-lhe as devidas honras. Gourmet para quê?

Foi, decerto e também, a pensar num faneco assim afeiçoado que o Camões nos disse que melhor é experimentá-lo que julgá-lo

Já conhecem as campainhas GUNA?

Nesta árdua luta pela sobrevivência, o meu filho Alexandre Castro acabou de se lançar num projecto, cuja ideia original partiu de Liliana Ferreira, com quem desenvolveu uma parceria, originando um objecto que, pela sua originalidade, quero partilhar convosco. Dou a palavra ao criador:

Porque para mim sempre foi importante explorar o mundo e descobrir coisas novas, menos no sentido de ir aos Himalaias, mas mais em descobrir as realidades e possibilidades escondidas ao virar a esquina, venho apresentar-vos um projecto novo que não tem nada a ver com computadores (…).O projecto teve o seu início com uma ideia da Liliana Ferreira à qual me associei para a tornarmos real. Apresentamo-vos a Guna, uma marca de campainhas de bicicleta (pelo menos para já, no futuro provavelmente iremos fazer pinturas com chamas para os próximos foguetões para Marte. Ainda estamos a discutir isso com o Elon mas parece-me a sequência óbvia). A mim pessoalmente aborrece-me o discurso da maior parte das marcas actuais onde tudo é perfeito, tudo é hiper seguro, onde ser radical é ter umas calças pré-rasgadas de uma marca qualquer. Penso que estamos a encontrar um equilíbrio interessante para a Guna. As campainhas têm motivos que nos parecem funcionar para um espectro largo de pessoas e ao mesmo tempo temos um discurso que nos liga a uma realidade muito concreta e que não faz questão de ser suave. Independentemente dos caminhos que acabaremos por percorrer estou muito entusiasmado para perceber aonde eu e a Liliana iremos chegar.Coisas práticas:

  • Lançámos 2 campainhas, hoje, de uma colecção de 10. Iremos lançar as outras até dia 13 de Julho. Estamos a fazer um preço de lançamento de 15,5€. Se saírem já de casa para comprarem a bicicleta que não têm, provavelmente ainda voltam a tempo.
  • Temos um site, https://guna.pt com a apresentação do projecto e lista dos lojas onde podem adquirir as campainhas, etc..
  • Temos uma mailing list: http://eepurl.com/dy7Wgn, podem inscrever-se para irem recebendo as nossas novidades (novas campainhas, coisas que acontecem no mundo real, etc.)
  • Temos um email mail@guna.pt. Podem contactar-nos para qualquer assunto, parecerias, encomendas, perguntas idiotas, hate mail.
  • E temos facebook em https://www.facebook.com/guna.bells

E, agora, digo eu: gostaram? Asseguro-vos, também, acabamentos de primeira. Então, aproveitem, antes que algum «oriental» ache graça à ideia e a canibalize lá para os lados do oriente…

o verdadeiro Capitão Gancho era português… – mas alguém duvidaria…?

Fui, há dias, em visita à muito interessante exposição Entre a Cruz e o Crescente – o resgate de cativos, patente na Torre do Tombo, em Lisboa, e associada à evocação dos 800 anos da fundação do Convento da Trindade de Lisboa,  que recomendo vivamente, pois dá elaborado testemunho de uma circunstância histórica muito pouco divulgada: o resgate dos captivos, que se revela, muito para além de mero exercício de soberania em conflitos vários entre países, mais como um lucrativo negócio, institucionalizado em diversos momentos da História.

A exposição desenvolve-se em torno dos seguintes temas:

  • A Ordem da Santíssima Trindade – a presença em Portugal
  • Um negócio piedoso – a apreensão de captivos
  • Uma obra mui nobre e pia – o resgate de captivos
  • O Convento da Santíssima Trindade de Lisboa – 800 anos de História

E assim foi que, nesta exposição, descobri a existência de um captivo – nascido lá pelos idos de 1656, no lugar da Ribeira dos Flamengos, ilha do Faial, nos Açores – de sua graça José Cardoso, em prestação de serviço como tripulante em nau portuguesa, que fora aprisionado  por navio pirata de Argel, com a idade de 18 anos.

Aos 42 anos, após uma vida repleta de aventuras mais ou menos desgraçadas – foi de escravo a capitão de embarcação pirata, e tendo, entretanto, adoptado o nome de Mustafá Gancho, esse mesmo! -, acaba nas mãos da nossa Santa Inquisição, após captura da embarcação que, na altura, capitaneava, acusado de ter aderido à fé muçulmana…

O nome estranho seria proveniente do senhor turco a quem fora vendido como escravo (Mustafá) e o Gancho estaria associado a uma deformação na mão direita, resultante de ferida em combate, pelo qual passou a ser conhecido.

Mas há lá alguma costura do mundo onde não tenha estado um português a meter o nariz? Até o Capitão Gancho!!!

E quantas aventuras cinematograficamente desperdiçadas! À consideração do Presidente Marcelo, a eventualidade do resgate da sua imagem aventureira…

Se subsistirem dúvidas nos vossos espíritos, podem sempre consultar as fontes:

http://arlindo-correia.com/100513.hotmail

http://wwlw.rtp.pt/acores/graciosa-online/o-pirata-dos-flamengos_51019

NOTA FINAL – Eu sei que o folheto da exposição refere «o resgate dos cativos». Mas não consigo habituar-me à ideia de que esses tais «cativos» possam tê-lo sido através de alguma «catura»… Assim, pois, CAPTIVOS, vítimas, sim, de uma eposódica CAPTURA.

 

finalmente, a caminho da imortalidade!

Como já lá dizia o outro, a vitória é difícil mas há-de ser sempre nossa!

Hoje, em momento de raríssima e inusitada elevação, no excelso e imorredoiro programa televisivo chamado de O Preço Certo e quando nele tropeçámos em zapping exploratório (que, afinal, ele há coincidências…!), um concorrente oferta ao apresentador Fernando Mendes, com proveniência da Junta de Freguesia de São Domingos de Rana, nada mais, nada menos do que… AQUELE livro, exposto, logo mais, com galhardia ostentatória!

Ó deuses das coisas pequenas, aqueles que não cessam de se espantar saúdam-vos!

E aqui vos deixo testemunho, para memória futura (não, não se trata de nenhuma montagem fotográfica):