um copo de água não se nega a ninguém.

Estou a pensar que isto de viver num concelho que ganhou a fama de ser o mais chique de Portugal – ainda se lembram do termo? – tem, no entanto e nos entrefolhos dos interesses instalados, muito que se lhe diga e nem tudo é abonatório do estatuto.

Seria longa e fastidiosa a conversa, por isso vou encurtar. Falemos de água ou, mais exactamente, da facturação das Águas de Cascais, S.A., que é uma daquelas empresas privadas vá lá a gente saber porquê.

Nem tecerei grandes comentários. Deixo apenas um extracto da última factura recebida. Consumo real, lido e facturado, correspondendo a 60 dias: 3 metros cúbicos. Valor a pagar 36,11 €.

Estou a pensar muito seriamente em fazer um contrato de abastecimento com uma empresa de água mineral.
A chatice é que, alegadamente, no interesse da saúde pública e pela letra da lei, sou obrigado a ter um contrato com as Águas de Cascais.

Por acaso ou por razões de mau feitio, uma legislação que me obriga a ter um contrato com uma empresa privada, sem concorrência, também é uma história para a qual ainda hei-de pedir a um entendido que me faça um desenho para perceber melhor o conceito, que isto da idade anda a tirar-me muito discernimento…

Deixo-vos, então, o tal extracto que é um tratado de fintas e malabarismos dignos de um Cirque du Soleil.

em defesa dos alentejanos e do Alentejo e, afinal, de Portugal

Muitos se espantam, se vergastam e rasgam as vestes pelos resultados das recentes eleições presidenciais no Alentejo. O «Alentejo vermelho» terá dado lugar a um outro Alentejo, purpura funéreo…

Em desacordo com muito do que se tem dito, vou, pois, opinar sobre isso, não em abordagem pseudo-científica, mas com a visão que a vida nos traz quando tendemos a olhar em nosso redor com olhos de ver e com a objectividade possível, perseguida em cada palavra.

O Alentejo mirífico, idealizado, das extensas campinas e trigais, cravejados de papoilas, do agreste trabalho de sol a sol e cânticos elevados em entardeceres magníficos já não existe… nem, porventura, terá alguma vez existido, nomeadamente para aqueles que, para sobreviver, tinham de dobrar os costados de manhã à noite, nas «campanhas do trigo» do Estado Novo, nas propriedades de meia-dúzia de latifundiários.

Esse Alentejo existe apenas nos cartazes turísticos e para fotógrafo ver, pois as experiências inovadoras e aventurosas que tiveram lugar com o 25 de Abril de 1974 rapidamente foram massacradas pelos grandes interesses do costume, até para não constituírem «maus exemplos», que tendem a propagar-se.

O Alentejo actual vive sem futuro à vista. As Catarinas de hoje não caem às mãos de nenhum Carrajola. Mas caem pela ausência de trabalho, de remunerações condignas, de ausência de futuro que as conduzem à emigração ou ao suicídio. O resultado, por fim, será o mesmo.

Qualquer jovem que intente a criação de uma empresa, ou tem pais com dinheiro para desperdiçar, ou cai, de imediato, sob o peso atroz dos impostos, das dificuldades imensas na obtenção de apoios institucionais, dos custos de produção, etc..

Quanto a empregos, basta pensar na precaridade e no montante espectacular do ordenado mínimo (quase metade do que existe em Espanha, sendo dos mais baixos da Europa e o que menos evoluiu nos últimos vinte anos – ver dados comparados em:
https://www.pordata.pt/DB/Europa/Ambiente+de+Consulta/Tabela.

Sobre isto acrescentem-se pequenas minudências como, por exemplo, termos a electricidade mais cara da Europa (sendo que ao preço do Kwh há que acrescentar os sacrossantos encargos de potência, o que ainda mais agrava o custo final…).

Entretanto, o seu património histórico e, neste, muito especialmente a imensa riqueza arqueológica que poderia definir o Alentejo como um dos pólos de turismo cultural da Europa, pela sua especificidade, quantidade e qualidade, é sistematicamente pilhado e/ou destruído, perante a passividade criminosa das «forças vivas», quando não da sua cumplicidade.

Uma investigadora na matéria informou-me de que, nos últimos 25 anos, 80% das referências arqueológicas que ela própria assinalara, no Alentejo, tinham desaparecido!

A título de exemplo, temos presente as muito recentes destruições deliberadas de antas como ocorreu na Herdade de Vale da Moura (Évora), para o plantio extensivo de olivais e amendoais, sem consequências visíveis até à data. Olivais e amendoais cujo produto final é muito duvidoso que venha a constituir riqueza nacional, pois escoa-se para parte incerta.

Junto ao litoral, as diversas «aventuras» de estufas instaladas dão (?) emprego miserável a migrantes, onde não se paga, sequer, o salário mínimo, e muito próximas, nas condições de vida proporcionadas aos trabalhadores, ao que se passava nas roças africanas nos anos 50 e 60 do século passado.

As reformas dos trabalhadores rurais – dos poucos ainda sobrevivos – são a desgraça vergonhosa que todos conhecemos.

Conheço um trabalhador da construção civil, já idoso, que faz uns biscatos de sobrevivência na região de Lisboa, durante a semana, regressando à sua terra, no meio do Alentejo, aos fins de semana onde, além do cultivo de uma pequena horta, se afoga em vinho à espera do próximo trabalho. Como rotina de vida, não será auspiciosa.

E como estaremos nos apoios à cultura alentejana, para além dos foguetórios televisivos, na esmagadora maioria dos casos inconsequentes e distorcidos, quando não totalmente alienados?

Neste «caldo de cultura», que apenas peca por defeito, o que é que cada um de nós, gente atenta ao drama social que Portugal vive, poderia esperar nestas eleições?

Poderemos nós achar estranho que nas Legislativas de 1987 a abstenção no Alentejo tenha sido de 27,5% – das mais baixas do País – e que nas Legislativas de 2019 tenha sido de 67,1% – das mais elevadas do País?

E vá lá, vá lá, que o PCP manteve, agora, quase inalterada a sua votação – ao contrário do que propalam os órgãos da comunicação a que temos direito… E se, aqui, os cinquenta e tal porcento de Marcelo contaram com os votos do PS – que não terá votado expressivamente em Ana Gomes – o Chega contou com os votos de quem? Vejam lá se adivinham…

Alguém que tenha o golpe de asa de cativar os jovens, poucos mas que ainda existem, do Alentejo, com políticas de futuro, positivas e sustentadas em circunstâncias reais e que proporcionem dinheiro no bolso – porque é para isso que se trabalha, concomitantemente com a dignificação pessoal; alguém que tenha o golpe de asa de proporcionar o conforto na velhice, em vez da desertificação doentia que tem sido promovida e, decerto, outros amanhãs virão a florir na terra sagrada do pão.

algumas questões pós-Covid

A «realidade Covid» torna desnecessário qualquer comentário ou pronunciamento actual sobre esse mesmo assunto.

No entanto e logo depois de ultrapassarmos a pandemia – que algum dia será – digam-me, por favor:

1 – Alguém vai preocupar-se com o número excessivo de alunos por turma nas escolas públicas, de que nos queixámos há cerca de uma vintena de anos?

2 – E aos professores, não será de equacionar uma nova política de remunerações mais condignas?

3 – Aliás, remunerações condignas, sendo algo que afecta quase todos os portugueses e demais trabalhadores, em Portugal, abaixo do cargo de director (que estes têm uma «lógica» toda particular), com uma incidência muito especial, como agora se vê, em médicos e enfermeiros dos serviços públicos, PSP, GNR, bombeiros, etc., não será preocupação prioritária no País pós-Covid?

(Só para evitar que desarvorem todos para os «países ricos», conforme conselho do Passos Coelho, contribuindo para as carências de que agora penamos…)

4 – Será, então, esse tempo novo, a altura para o Estado, numa verdadeira política de integração e protecção social, chamar a si a responsabilidade exclusiva da criação de centros de acolhimento e tratamento, a nível nacional, para a velhice desvalida ou enferma, para acabar com a negociata em que se transformaram os «lares de terceira idade» legais e ilegais?

  • Sim, porque a actual situação calamitosa dos incontáveis e incontroláveis surtos pandémicos em lares advêm, exactamente, da «pelintrice» endémica em que vivemos: deficientes ou más condições de alojamento e de tratamento, a par de serviços de profissionais técnicos mal pagos que, para sobreviverem, têm de andar a fazer «perninhas» em várias instituições.

Respigo de uma entrevista recente de Manuel Lemos, Presidente das Misericórdias – de que se aconselha vivamente a leitura integral no jornal I – o seguinte:

«Se não existir uma alteração da sociedade portuguesa em relação às políticas de envelhecimento – e temo que não haja – a situação mantém-se. Não é só alterar as políticas dos lares, é a política do envelhecimento. As pessoas que estão nos lares são cada vez mais pessoas com demência. Se uma pessoa é idosa, mas está lúcida, a família, mesmo com muita dificuldade, consegue mantê-la em casa. Mas se essa pessoa tiver demência não pode. É por isso que é imperioso que o Estado português olhe para as políticas de envelhecimento em Portugal, caso contrário, isto é cíclico. Cada vez que aparecer um vírus qualquer, a situação repete-se

E quem vier com a argumentação do «País pobre», pense primeiro no dinheiro que já pagou para o resgate dos diversos bancos… a troco de nada.

Se, por outro lado, pretender que agora não estamos em tempo de nos preocuparmos com isso, pergunte a si mesmo para quando essa oportunidade.

uma nova versão da Guernica no Ribatejo?

Na Quinta da Torre Bela, em Aveiras de Cima, concelho da Azambuja, numa quinta murada, 540 veados, gamos e javalis foram massacrados por 16 aberrações da natureza, sob a égide de um casal de energúmenos, porventura saudosos da Guernica…
Ora bem, como declaração de princípios, considero a caça e os caçadores como resquícios atávicos que, como sói dizer-se, nos correm na «massa do sangue» e, enquanto tal, uma prática em declínio, a caça, e uma espécie em vias de extinção, os caçadores, com o avanço civilizacional.
Serão excepções notáveis todos quantos tentam introduzir alguns aspectos de humanidade e, até, cientificidade aos instintos mais básicos que presidem a tal «desporto», tal como é doentiamente considerado.
Por exemplo, não é despiciendo o argumento segundo o qual algumas espécies selvagens apenas existem, nos nossos dias, porque existem caçadores…
Mas, na maioria dos casos, invoca-se a cultura e a tradição apenas para dar pretexto justificativo ao instinto predatório, muito desajustado aos dias que correm, quando não dar livre curso a outras psicoses mais obscuras.
Mas os interesses capitalistas são sempre, nos tempos em que vivemos, mais fortes do que qualquer lógica ou bom senso. E não venham para cá com tretas de esquerdismo e tal… Atenhamo-nos aos factos conhecidos:
Numa coutada privada, gerida pelo tal casal espanhol, onde está prevista a instalação de uma central fotovoltaica com 775 hectares (num total de 1000 hectares da herdade) e cujo Estudo de Impacte Ambiental (EIA) se encontra em fase de consulta pública, até 20 de Janeiro de 2021, e onde se tem verificado uma significativa desflorestação nos últimos tempos, este massacre é só coincidência?
E vangloriam-se da façanha no «facebook», com imagens publicadas? E ousam chamar àquilo montaria, quando de um cobarde massacre se trata? Estão a gozar com as nossas caras?
Aqui ao lado, em Espanha, o então rei Juan Carlos foi veemente condenado pela opinião pública após a divulgação de uma fotografia sua ao lado de um elefante abatido num safari em África.
O que poderá suceder, proporcionalmente, a este casal de «empresários» e aos «16 indomáveis patifes» com o seu espólio tétrico de 540 animais selvagens?
Sabe-se já de movimentações de autarcas e de partidos. Sabe-se da invocação de total desconhecimento prévio dos factos por parte do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).
Mas fica uma pergunta aos intensos defensores do turismo em Portugal: é esta a imagem que se pretende dar do tal país de brandos costumes, à beira-mar plantado?
E nem me interessa saber se há legislação que contemple a penalização deste massacre ou se, como é hábito, o dinheiro fala mais alto.
Porque há uma coisa que deve prevalecer em cada ser humano, sob pena de deixar de o ser: a ética. E não há recanto onde, neste lamentável episódio, a possamos encontrar.
A meia-dúzia de dias do Natal, fuzilam-se a sangue-frio centenas de veados e gamos e javalis, como em qualquer episódio de uma guerra sangrenta… onde as vítimas nem sequer podem fugir ou ripostar. E tornam-se públicas as imagens. Eis um grandessíssimo exemplo de cobardia e falta de escrúpulos a transmitir às nossas crianças, no meio de uma pandemia às costas.
Se os autores deste inqualificável desmando saírem incólumes deste episódio, podemos bem, todos nós, limpar as mãos à parede por sermos o país que somos

o fim do tempo dos amargurados de Abril

Isto é só para quem estiver com MUUUITA paciência para me aturar. Trata-se dos meus comentários a um texto publicado por Helena Matos, no Observador, a propósito de qualquer coisa em volta do 25 de Abril, que reputo de… inqualificável.

Como toda a gente diz o que lhe apetece ou pagam para dizer, resolvi também efectuar uma análise crítica ao texto, por ser direito que me assiste. Assim, para quem tiver a tal paciência, aqui vai o guia de leitura: entre aspas e a negrito estão as palavras publicadas pelo Observador da autoria de Helena Matos. Em contraponto, parágrafo a parágrafo, as minhas considerações vão antecedidas de um travessão.

Texto de Helena Matos, publicado no Observador, em 19 de Abril de 2020, tempo de Covid.

«O fim do tempo que disseram nosso»

«As celebrações do 25 de Abril de 2020 são a cerimónia da brigada do reumático do regime instituído em 1974. Agora, tal como há 46 anos, o país está bloqueado e a situação é a normalidade.»

19 abr 2020, 08:1713

«Aqui estamos em 2020 de volta à casa da partida: o regime nascido em 1974 está a passar à História. O impacto da epidemia acabou a expor quase obscenamente uma classe política de tal forma alienada e anquilosada que já nem vê como é ofensivo ir celebrar a liberdade e a igualdade numa cerimónia em que os participantes fazem tudo aquilo que foi proibido aos demais portugueses.»

– Este é o pressuposto do qual Helena Matos (HM) parte para os parágrafos seguintes. Mas ele é meramente opinativo. Não se baseia em realidade nenhuma a não ser a do «achismo» e maledicência. Ela «acha» que… Primeiro porque, se olharmos aos resultados da epidemia em Portugal, reconhecidos internacionalmente, rapidamente se concluirá que a tal classe política de que a HM fala, afinal, não andará tão alienada assim. Depois, volta a insistir na tecla já sobejamente desmontada de que estarão a fazer na Assembleia o que está vedado «aos demais portugueses». Aqui, direi que não é falácia. É mentira. Há muitas centenas de milhares de portugueses que continuam a trabalhar nos seus locais de trabalho e outros tantos em casa. E, como também tem sido sobejamente dito, a Assembleia da República nunca cessou funções, nem o devia fazer, como órgão da soberania que é.

– Além disso, não consta em lado nenhum a não ser no «veneno» de HM, que os participantes na sessão vão fazer «aquilo que foi proibido aos demais portugueses». Vão fazer o quê? Beijar-se e abraçar-se na Assembleia? Cuspir sobre os oponentes? Entrar às cavalitas uns dos outros?   

– Esta atitude falaciosa relembra-me sempre aquele silogismo que aprendíamos nas antigas aulas de Filosofia: como é que provas que uma mesa toca guitarra? É fácil: uma mesa tem pernas; quem tem pernas, tem pés; quem tem pés tem dedos; quem tem dedos tem unhas. Como é sabido que quem tem unhas toca guitarra, uma mesa pode tocar guitarra…

«Eles, os donos do que dizem ser o nosso tempo, nem percebem como reproduzem, passo por passo, os tiques do regime cujo final querem celebrar: depois de anos, décadas, quase meio século a troçarem da cerimónia da brigada a que chamaram do reumático (a 14 de Março de 1974, oficiais-generais dos três ramos das Forças Armadas mostraram o seu apoio a Marcelo Caetano numa cerimónia em que sobressaíram as ausências de Spínola e Costa Gomes) também eles estão transformados numa brigada do reumático e reivindicam a sua cerimónia como se ela fosse um amuleto.»

– Mais conversa venenosa da treta, de diz-que-disse, sem consistência nem rigor de análise. Aquilo que se chama falatar… Vejamos:  a «brigada do reumático» foi um indecoroso acto voluntário (ainda que orquestrado) de vassalagem de altas patentes militares que ocorreu no anterior regime,  um beija-mão indecoroso para que o «patrão» não cuidasse que eles alinhavam com os arruaceiro, com a tropa da ralé.

– Fazer um paralelismo entre este acto e a comemoração de uma efeméride como o 25 de Abril, acto matricial que, entre muitas outras coisas, permite a HM escrever o que escreve em total desrespeito deliberado pelas mais altas instituições do País, é, no mínimo, uma aleivosia.

– Já agora, como é que a «analista» classifica e enquadra, neste contexto, as ausências de Spínola e de Costa Gomes, que refere?

– E se vão estar presentes convidados que já são de idade avançada, também estarão presentes deputados mais jovens. Onde é que está aqui o paralelismo? A evidência escapa-me…

«Sem soluções para o futuro, agarrados à vacuidade das palavras tantas vezes ditas e cansadas pelo confronto com uma realidade que se tornou escarninha, precisam de celebrar a data fundadora do regime já não como uma vitória sobre o passado, ou de exaltação do presente  mas sim como um exorcismo face a um futuro que temem e para o qual não têm propostas. O combate aos fascismos futuros cumpre agora o papel retórico de anos de evocações e recriações dos fascismos passados: iludir o momento em que alguém faça o balanço entre o prometido a 25 de Abril de 1974 e o concretizado nos anos seguintes.»

– Claro, depois trata-se de cavalgar os pressupostos anteriormente «explicitados». A HM dirige estas suas «reflexões» a quem? Ao governo de António Costa – que está em estado de graça perante os seus parceiros europeus, o que nunca aconteceu com Passos Coelho, apesar de ter sido tão «bom aluno»? Ou será a Marcelo Rebelo de Sousa que, sendo o que é e como é, colhe o consenso esmagador da maioria dos portugueses (excepto, talvez, o de HM, mas ela não tem coragem de pôs os nomes aos bois)?

– No contexto do palavrório de HM também não se entende o que ela pretende referir como «realidade escarninha». Se bem se entende e traduzindo: HM refere os tais seres anquilosados «agarrados à vacuidade das palavras… pelo confronto com uma realidade que se tornou escarninha». Ora, se a realidade se tornou escarninha (leia-se, que revela escárnio ou mal-dizer), em contexto de pandemia como aquele que vivemos, há que afirmar que  a realidade deve estar, ela sim, a pobre, imbuída de estupidez agravada.  Bom, a HM, se calhar, não era bem isto que queria dizer, mas terá construído mal a frase.

– Por fim, quando ela refere o «exorcismo face a um futuro que temem e para o qual não têm propostas» estará a falar de António Costa ou de Rui Rio?

– Falar do combate a fascismos futuros como mera retórica é, em meu entender, indecoroso, se considerarmos a evolução de movimentos ultra-direitistas um pouco por toda a Europa. Também não a entendo quando ela refere as «evocações e recriações de fascismos passados». De que «recriações» é que a senhora fala? Se alguém, nesta matéria, anda a «recriar» alguma coisa são aqueles que pretendem negar a existência de Auschwitz…

– Também não lhe fica bem falar do balanço entre o prometido a 25 de Abril de 1974 e o concretizado, pois lá teríamos de lhe lembrar (uma vez mais e sempre) a taxa de escolaridade, a Segurança Social, a diminuição da taxa de mortalidade de recém-nascidos, o Serviço Nacional de Saúde, a possibilidade de ela escrever as maledicências que lhe terão encomendado sem sofrer consequências, etc., etc., etc. Quanto ao que falta, ainda, concretizar, receio bem que não se possa contar com HM para o efeito.

«(A propósito das declarações de Ferro Rodrigues sobre a celebração do 25 de Abril na AR– A Assembleia da República não saiu do terreno da vida política democrática com a pandemia, o estado de emergência ou a pressão de saudosistas, anti-parlamentares ou seguidores de fake news“ – alguém consegue na muito longa carreira do actual presidente da Assembleia da República descobrir um pensamento, uma frase ou uma ideia que se elevem um pouco acima do constrangedor?)»

– Por acaso, eu – que nem sou nem fui do PS – até sou capaz de me lembrar de inúmeras frases ou ideias emitidas por Ferro Rodrigues. Como destacado mancebo da crise de Mafra, como fundador do MES, como tribuno na Assembleia da República, como  como Ministro da Solidariedade e Segurança Social e, depois, Ministro do Trabalho e Solidariedade do provável melhor elenco governamental que o PS alguma vez constituiu e que viu a sua carreira política destroçada por uma palhaçada indecorosa como foi (e continua a ser) o «caso dos pedófilos», onde alguns dos principais libelos «acusatórios» saíram exactamente das fileiras do PS – lembremo-nos de quem ascendeu, depois à ribalta do poder.

– Mas a HM, comentadora vivendo à sombra da res política, alega que não lhe conhece um pensamento, uma frase ou uma ideia… A HM tem andado, da política, distraída. E, curiosamente, estou eu com dificuldade em reconhecer-lhe a ela, um pensamento válido, uma frase coerente, uma ideia original. Lembro-me, a este propósito, de uma anedota que circulava nos corredores da Faculdade de Direito, quando, num exame oral, certo professor, político conhecido, se dirigiu ao examinando e lhe disse: «- As suas ideias são boas e originais. Só que as originais não são boas e as boas não são originais».

«Mas o Covid expôs mais. Expôs na DGS uma administração pública cada vez mais servil perante o poder político e menos apta para servir o povo. Expôs uma comunicação social mais interessada em provar as suas teses sobre o mundo do que em informar: assim os mesmos jornais portugueses que detalham com afinco o falhanço da administração norte-americana no combate ao Covid-19 não conseguem produzir uma notícia que seja sobre um país aqui bem próximo onde uma catástrofe está a acontecer perante a indiferença geral: a Bélgica. A Bélgica tem uma população semelhante à portuguesa, fez muitos menos testes, tem duas vezes mais casos e o número de mortos é quase sete vezes superior ao português. Como é isto possível? E como é possível que não seja destacado?»

– Aqui, reconheço a minha incapacidade em seguir o raciocínio da cronista. O que é que HM pretende? A DGS não tem estado a servir o povo e é servil em relação ao poder político? Mas, espera aí, a DGS não é um organismo estatal? HM pretende que a DGS solte o Grito do Ipiranga e declare as Berlengas como zona libertada?

– Ah, não, espera aí… HM queixa-se é de que a «comunicação social» está toda voltada para o «falhanço da administração norte-americana» e não se fala da desgraça que está a ocorrer na Bélgica. Realmente! Entendo a angústia de HM em tentar proteger, ainda que canhestramente, o seu farol-guia: a excelsa democracia e liberdade dos EUA, mesmo que sob o penteado «trumpeiro». O peso da Bélgica no concerto das nações, lamentavelmente, não lhe dá muito tempo de antena, pelo menos até que a CMTV descubra alguns cadáveres em putrefacção no meio de alguma rua belga. Essa é uma triste realidade. Mas é a imprensa que acolhe a HM – dirija a sua reclamação à direcção do Observador. E, pelo caminho, refira, também, o problema da pandemia em África. Pode começar por Angola e Moçambique, por exemplo. 

«A pandemia expôs também uma fractura que não tem parado de crescer na sociedade portuguesa: as desigualdades crescentes entre o país do partido-Estado, de que falava Medina Carreira, (esse país não só se adaptou muito bem às medidas de confinamento como não lhe parece inviável vivermos em quarentena enquanto existir um caso de Covid-19) e o outro país, o do sector privado, muito particularmente esse sector privado que o estatismo-socialista detesta: os micro e pequenos empresários que ficaram privados de rendimento e agora ficam também fora dos planos de apoio anunciados pelo Governo.»

– Então, aqui, expõe-se um chorrilho de aldrabices, embrulhado numa pretensa dicotomia que não existe. HM pretende contrapor o país do «partido-Estado» – a que só lhe falta rotulá-lo de estalinista, para o discurso direitista patego e serôdio ficar completo – ao país dos micro e pequenos empresários (a quem o «estatismo-socialista» repudia). A HM terá alguma noção sobre o que é o tecido social português? Sobre quem é a massa eleitoral do PS? Ela não saberá, a pobre, que quando um dono de um restaurante se vê obrigado a encerrá-lo é todo o estado português que estremece?

– HM não se recorda da maravilha fiscal perpetrada por Passos Coelho e Vítor Gaspar, por exemplo, ao atirarem o IVA da restauração para os 23%?  Ou ela também inclui estas personagens na lógica do «estatismo-socialista»?

– E o que é que a faz correr ao dizer que os micro e pequenos empresários «ficam também fora dos planos de apoio anunciados pelo Governo», quando todos sabemos que isso não é verdade?

«E sobretudo os tempos da pandemia mostraram-nos o que já sabíamos: não é necessário que existam censura ou polícia política para que na sociedade portuguesa se crie um pensamento único, basta que o poder seja de esquerda. Quarenta e seis anos depois do 25 de Abril aqui estamos presos naquela patética armadilha em que discordar do governo ou criticá-lo não é discordar do governo ou criticar o governo mas sim criticar o país e estar contra Portugal. Noutros tempos chamou-se a isto a situação. E agora será cidadania?»

– Cidadania que HM, no final de quarenta e seis anos, ainda não aprendeu a exercer. Ela escreve o que lhe apetece. Utiliza, em meu modesto entender e que tentei desmontar ao longo de todo este arrazoado: falsidades, falácias, malevolências e verdadeiras aldrabices, publica-as e, logo a seguir, queixa-se da existência de uma putativa censura regimental… (lá dizia a formiga ao elefante: «- Já viste a poeirada que estamos a levantar…?»).

– Quanto ao chorrilho de barbaridades que meio mundo anda a proferir, impunemente, em Portugal, em relação à comemoração do 25 de Abril na Assembleia da República, HM desconhece-o, embora afine pelo mesmo diapasão. Será caso para consolar a senhora e dizer-lhe que não está só, lamentavelmente, nessa espécie de circo opinativo que está montado?

– É que uma coisa é o direito à opinião, que todos temos… e o feicebuque é pródigo nisso. Tenho, aliás, vários amigos (a sério) que têm opinião diversa da minha, que não posso senão respeitar, se fundamentadas. Outra, muito diversa, é influenciar a opinião dos outros com aldrabices rasteiras.

– Em qualquer caso, HM está (q.e.d) contra a Presidência da República do Estado Português eleito democraticamente. Está, também, contra a Assembleia da República do Estado Português, eleita democraticamente. Está, ainda, contra o Governo do Estado Português constituído democraticamente após eleições democráticas. Restam à HM poucas alternativas:

– ou organiza uma revolução, coisa sempre plausível, ainda que não necessariamente saudável num regime democrático;

– ou emigra, eventualmente para os EUA, aliás seguindo directivas de Passos Coelho no que toca à abertura de novas janelas de oportunidades;

– ou continua a destilar, impune e alegremente, os seus pareceres ou achismos, com que  intoxica os cidadão incautos e pouco críticos, até umas próximas eleições «redentoras» que lhe dêem acesso a um lugar ao sol.      

Sabem o que vos digo? Já perdi tempo demais na minha vida de cidadão a comentar o textículo desta senhora.

NOTA – Tentei centrar a minha crítica muito mais numa perspectiva de análise de coerência intrínseca do texto do que numa sempre possível carga ideológica… ainda que tudo seja ideologia, como sabemos. Mas, se fosse por aí, a carga crítica seria, porventura, muitíssimo mais acintosa.

Diário das cautelas num dia de covidamento (ou manual de procedimentos para espíritos cautelosos)

Levantei-me cedo. Hoje é preciso ir ao pão ou à farinha, pois já escasseiam cá por casa. Quando me aprontava para sair, ocorreu-me que o horário matinal está destinado preferencialmente aos velhos… Ora, não estou nada de acordo com estas discriminações sociais, portanto vou esperar pelas onze da manhã para sair.

Entretanto, muni-me de dois pares de luvas, da máscara mais ou menos cirúrgica – à cautela, coloquei outra máscara na minha mala, não vá o Diabo tecê-las – e de uma viseira protectora. Além disso, muni-me de um saco de plástico onde irei guardando o material utilizado.

Escolhi o calçado destinado a ir à rua e deixei atrás da porta umas calças, uma camisola, um par de peúgas e um par de chinelos caseiros para substituir a roupa que usarei no exterior. Também aí coloquei um cesto para onde lançar os produtos que vier a adquirir, além do pão, já que é sempre fundamental aproveitar estas excursões ao exterior e todos os cuidados são poucos, pois sabe-se lá por que mãos já terão passado por todos aqueles produtos e respectivas embalagens.

Quando, finalmente, me dirigi para o meu carro, aspergi-o, primeiro, em vários pontos sensíveis, susceptíveis de terem sido tocados por estranhos – utilizando uma das luvas, para a esfrega necessária. Retirei a luva, segundo os preceitos da OMS para a remoção de luvas, e entrei na viatura.

Estacionei com facilidade, pois, por estes dias, há felizmente muito pouco trânsito junto da praça onde me abasteço regularmente. Pelo caminho passei pela caixa multibanco, para fazer uma consulta de saldo e levantar algum dinheiro… Claro que calcei outra luva e muni-me de uma cotonete para pressionar as teclas, como mandam as boas normas de acautelamento.

Peguei nas notas com a mão sem luva, para não contaminar as notas, retirei a luva com a qual embrulhei a cotonete, sempre respeitando os ditames da OMS e depositei tudo, cuidadosamente no saco de plástico de que me munira para a recolha destes desperdícios.

Entrei com facilidade no mercado. Estavam apenas vinte pessoas à minha frente. Após a fila de contenção ultrapassada, chegada a minha vez, empurrei o fecho da porta com o cotovelo e a porta envidraçada com as costas – já era tempo de terem montado uma porta de abertura automática.

Escusado será referir que, por esta altura já tinha calçado o par de luvas restante, colocado a máscara e a viseira e fechado o casaco exterior até ao pescoço.

Também o senhor da segurança, à porta, me mimoseou com algumas aspersões complementares, que agradeci, prontamente.

Após esperar um pouco pelo desembaciamento da viseira provocada pela diferença de temperaturas, senti alguma dificuldade em fazer-me entender nas diversas bancadas onde me dirigi, pois as máscaras não facilitam o diálogo. Depois de passar pelo peixe, que logo acondicionei no saco das compras – o qual, aliás, tentei nunca colocar no chão, contaminadíssimo, decerto, entalando-o entre as pernas… – aspergi, vigorosamente, as luvas que esfreguei diligentemente e conforme os preceitos, antes de me dirigir ao balcão seguinte, para me abastecer do pão.

Pedi pão, que irei comer fresco entre hoje e amanhã, provavelmente congelando mais algum, mas pouco, que eu não sou de açambarcamentos inúteis.

Acondicionei-o junto ao peixe, repetindo as operações antes descritas… quando me lembrei que os sacos respectivos, para bem, também deveriam ter sido devidamente aspergidos e esfregados… mas esquece sempre qualquer coisa!

Prossegui por mais duas compras, sempre seguindo as normas processuais descritas, e cheguei ao fim deste périplo com a certeza relativa de que, graças a elas, não deveria estar a correr grandes riscos de contaminação.

Saí pela porta envidraçada depois de ter borrifado a maçaneta para a sua abertura, o que fiz, claro, com o cotovelo, empurrando-a com as minhas costas. A manobra revelou-se algo complexa, pois o puxador não foi pensado para este tipo de constrangimentos.

Dirigi-me ao carro, procedi à desinfecção sumária, absolutamente necessária, de possíveis zonas de contacto, descartei a viseira, a máscara e as luvas (por esta ordem) depois de colocar o saco das compras na mala do carro.

Aqui sobreveio aquela angústia de nunca saber se devo colocar, primeiro, o saco no carro ainda usando as protecções possivelmente infectadas, ou se hei-de manusear o saco, também ele possivelmente infectado, só depois de retirar o equipamento de protecção.

Entretanto, acautelei sempre a possibilidade do saco não tocar no chão, entalando-o entre as pernas.

Entrei na viatura. Dirigi-me directamente para casa. Ao chegar, esperava-me o carteiro com uma pequena encomenda, para a entrega da qual carecia de uma assinatura. E eu que já não tinha mais luvas… Toquei à campainha, esperando que a minha companheira me pudesse providenciar o material de protecção necessário, o que veio a acontecer: luvas e máscara (ainda bem que levara uma sobresselente), claro, pois a viseira talvez não fosse necessária, ainda que…

Depois do senhor carteiro se retirar, deixei a encomenda de quarentena numa arrecadação exterior, levei as compras para a caixa que deixara à entrada, tendo substituído previamente os sacos que continham cada produto, mudei de roupa, descartei este último conjunto de material de protecção, cumprimentei os vizinhos com um sonoro bom-dia. Os vizinhos aparecem sempre quando algum de nós está nesta fase de cuidados preventivos.

Calcei um novo par de luvas e levei a roupa utilizada para a máquina de lavar, e deixei os sapatos ao sol – duvidoso, pois hoje está de chuva… – após o que eu próprio me fui lavar cuidadosamente, com especial cuidado e prioridade para as mãos, claro.

De consciência cívica tranquilizada, apurei o saldo do dia: quatro pares de luvas usadas, duas máscaras, uma viseira, nove sacos de plástico… e almocei às quatro horas e trinta da tarde.

Cuidem-se, hem?

Jorge Castro

  • 18 de Abril de 2020