Sendo este um  espaço de marés, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.

a 105ª sessão das Noites com Poemas com o Júlio Conrado
– imagens e comentários

Existindo informação complementar, em entrada anterior, acerca das personagens deste nosso mais recente evento, cumpre-me, entretanto, destacar toda a especial envolvente deste encontro, em que contávamos, enquanto convidado, com Júlio Conrado (prosador, ensaísta, poeta…, enfim, escritor), falando de si na primeira pessoa, mas também excelentemente apresentado pelo Professor José d’Encarnação, que nos transmitiu uma visão inspirada e motivadora ao passear-se pela obra daquele nosso convidado.

Porquê esse destaque? Ora, porque estivemos com uma noite de vendaval chuvoso, de futebol televisivo e, para complementar o ramalhete de razões de dispersão, um espectáculo com o Jorge Palma, em Oeiras. E, ainda assim, cerca de cinquenta pessoas (heróis, heroínas? Combatentes, seguramente…) se deslocaram à Biblioteca Municipal de Oeiras para acompanhar esta nossa sessão! Notável e digno de realce, obviamente.

O Sexteto 5+1, que nos chegou de A dos Francos (Caldas da Rainha) e de quem se deve ressaltar, também, o espírito abnegado para calcorrear tanto quilómetro e em tais condições para esta partilha, constituiu um belo contributo a esta sessão das Noites com Poemas.

As moçoilas que constituem este grupo (e também integram a Banda Filarmónica e a Orquestra de Sopros de A dos Francos) são a Rafaela Esteves (clarinete), a Margarida Lourenço (clarinete), a Mafalda Filipe (saxofone tenor) a Beatriz Estevão (clarinete), a Ana Rita Louro (clarinete) e a Sara Lourenço (clarinete). E fica o merecido aplauso!

A obra apresentada trouxe-nos Carl Maria Von Weber, Robert Hinchliffe, Franz Liszt,Sarah Watts, Mark Goddard, Brian Chapple e Paul Harvey… Ah, têm pena de não ter ouvido? Pois é… para a próxima, já sabem: basta vir.

Carlos Gaspar, da Comunidade de Leitores e Cinéfilos das Caldas da Rainha – acompanhado pela «nossa» Palmira, sempre e bem -, apresentando o Sexteto 5+1.

Depois, um grupo de amigos, deambulando pela poesia de Júlio Conrado:

Francisco José Lampreia, Carlos Peres Feio, Eduardo Martins e Jorge Castro

  

Júlio Conrado celebra, em grande economia de tempo, os 55 anos de carreira literária, bem como a sua extensa bibliografia, que muito mais tempo mereceria. Felizmente, ao longo da sessão, foi decorrendo uma apresentação ilustrativa de muitos episódios e realizações da vida de Júlio Conrado, que, de algum modo, supriram o que a escassez do tempo sempre inibe.

A «mesa», com Jorge Castro, Júlio Conrado e José d’Encarnação

José d’Encarnação em interessada e interessante divulgação apologética da obra (e da personalidade) do autor

E a sessão, como habitualmente, decorreu depois com o tributo feito pelos presentes, a Júlio Conrado e a Carcavelos – território de afectos do autor – , em forma de poema a várias mãos:

        Francisco José Lampreia,

Carlos Peres Feio

   –  Graça Patrão 

 Lucinda Pratas

– Eduardo Martins

– Ana Freitas

 Francisco Queiroz…

                                         

– Jorge Castro, anfitrião honrado e grato por mais uma sessão de mão-cheia.

fotografias de Lourdes Calmeiro

o verdadeiro Capitão Gancho era português… – mas alguém duvidaria…?

Fui, há dias, em visita à muito interessante exposição Entre a Cruz e o Crescente – o resgate de cativos, patente na Torre do Tombo, em Lisboa, e associada à evocação dos 800 anos da fundação do Convento da Trindade de Lisboa,  que recomendo vivamente, pois dá elaborado testemunho de uma circunstância histórica muito pouco divulgada: o resgate dos captivos, que se revela, muito para além de mero exercício de soberania em conflitos vários entre países, mais como um lucrativo negócio, institucionalizado em diversos momentos da História.

A exposição desenvolve-se em torno dos seguintes temas:

  • A Ordem da Santíssima Trindade – a presença em Portugal
  • Um negócio piedoso – a apreensão de captivos
  • Uma obra mui nobre e pia – o resgate de captivos
  • O Convento da Santíssima Trindade de Lisboa – 800 anos de História

E assim foi que, nesta exposição, descobri a existência de um captivo – nascido lá pelos idos de 1656, no lugar da Ribeira dos Flamengos, ilha do Faial, nos Açores – de sua graça José Cardoso, em prestação de serviço como tripulante em nau portuguesa, que fora aprisionado  por navio pirata de Argel, com a idade de 18 anos.

Aos 42 anos, após uma vida repleta de aventuras mais ou menos desgraçadas – foi de escravo a capitão de embarcação pirata, e tendo, entretanto, adoptado o nome de Mustafá Gancho, esse mesmo! -, acaba nas mãos da nossa Santa Inquisição, após captura da embarcação que, na altura, capitaneava, acusado de ter aderido à fé muçulmana…

O nome estranho seria proveniente do senhor turco a quem fora vendido como escravo (Mustafá) e o Gancho estaria associado a uma deformação na mão direita, resultante de ferida em combate, pelo qual passou a ser conhecido.

Mas há lá alguma costura do mundo onde não tenha estado um português a meter o nariz? Até o Capitão Gancho!!!

E quantas aventuras cinematograficamente desperdiçadas! À consideração do Presidente Marcelo, a eventualidade do resgate da sua imagem aventureira…

Se subsistirem dúvidas nos vossos espíritos, podem sempre consultar as fontes:

http://arlindo-correia.com/100513.hotmail

http://wwlw.rtp.pt/acores/graciosa-online/o-pirata-dos-flamengos_51019

NOTA FINAL – Eu sei que o folheto da exposição refere «o resgate dos cativos». Mas não consigo habituar-me à ideia de que esses tais «cativos» possam tê-lo sido através de alguma «catura»… Assim, pois, CAPTIVOS, vítimas, sim, de uma eposódica CAPTURA.

 

105ª Sessão das Noites com Poemas com o escritor Júlio Conrado

(Conforme mensagem enviada por Rui Lemos)

A viagem continua. Cá vamos nós para mais uma sessão das Noites com Poemas, com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras, debaixo da especial supervisão e organização do Jorge Castro que, como sempre, nos traz um convidado excelente e sempre bem acompanhado pelos poetas da casa que farão as suas intervenções.

Desta vez temos um sócio da EMACO, o escritor Júlio Conrado. Sigam as sábias palavras do Jorge:

No próximo dia 23 de Março (sexta-feira), pelas 21 horas, na Biblioteca Municipal de Oeiras, na próxima sessão das Noites com Poemas, contaremos, como convidado, com o escritor e crítico literário – simbiose de curiosa gestão e não isenta de risco… – Júlio Conrado.

Propõe-nos o convidado, como tema:

– Carcavelos nos 55 anos de carreira literária de Júlio Conrado 

O Professor José d’Encarnação trará consigo, também, o seu testemunho amigo, sempre precioso,  e alguns amigos mais preencherão o serão com poemas do autor e não apenas. Teremos, então, entre outros, Ana Freitas, Carlos Peres Feio, Eduardo Martins, Francisco José Lampreia… e por aí fora.

Carcavelos virá, também e necessariamente, à baila com poesia à mistura e, ainda, como elemento surpresa, um breve desempenho musical do  Sexteto 5+1 (5 Clarinetes+1 Saxofone Tenor), com o apoio da Direcção da Sociedade de Instrução Musical  e Recreio de A-dos-Francos (Caldas da Rainha) e da Junta de Freguesia da mesma localidade. Sim, porque isto anda tudo ligado… e mais não digo. Já sabem: o melhor é experimentá-lo.

Contamos, como sempre, com a vossa presença para que esta sessão plenamente se realize.

Perfil e bibliografia do autor:

read more…

há mar e mar… um que é de trazer areia, o outro de a levar

Por vezes, ele há um mar que não dá a mínima importância ao cuidado dos homens em manter uma praia com ar de ser sempre uma praia igual…

… e, depois, vem outro mar que desfaz o que o anterior fez, mostrando o que ele próprio esconde.

E, de súbito, desvenda a arriba fóssil que existe ali, em Carcavelos, e que muito poucas vezes está visível.

É uma espécie de sandes de conchas, como se em determinado momento longínquo, tudo o que fosse ostra à face da terra (ou quase) tivesse escolhido Carcavelos para residência definitiva.  

Os desígnios da Mãe Natureza são insondáveis e sempre misteriosos. O que terá acontecido ali? Terá ocorrido a existência, no local, de algum pólo universitário para ostras? Ou terão, tão-só, sido votadas ao ostracismo?

inquietação encalhada

O cargueiro encalhou no baixio junto ao Bugio. Para além da rima intempestiva, nada de novo a assinalar.

Mas a informação absolutamente colateral de que o cargueiro transportará areia para Marrocos deixa-me na maior das perplexidades:

  • ou a minha ignorância tem transcendências insondáveis e, como se apura, inexploradas…
  • ou uma questão terá certa relevância e apropósito: areia para Marrocos? Mas, então, o Sahara não fica ali tão perto…?

maratona de poesia em Oeiras
– 21 de Março de 2018

Em 21 de Março decorrerá a Maratona de Poesia, em Oeiras, em que também participarei.

Assim, a partir das 18 horas desse dia haverá farta escolha, distribuída por diversos espaços culturais localizados no centro histórico de Oeiras.

Segue o quadro geral, com indicação de horários e respectivos locais, bem como indicação de participantes e temas a abordar.

festival da eurovisão

Posso proferir uma frase lapidar? Então, lá vai: o festival da eurovisão é o que é e vale o que vale. Pronto! Está dito.

Posto isto, não falarei muito da canção mais votada, defendida pelo Diogo Piçarra, da qual não me agradou a pompa do seu anúncio contra os desconchavos da Humanidade para depois ver a expectativa frustrada através de um poema fruste.

De facto, tenho alguma dificuldade em entender o alcance, o nível poético, o impacto ou, até, a intenção de

Podem fazer muros/Mas não tapam a alma/Tu olhas para tudo/E não vês nada   

Enfim, não acolhi, pois, com grande pesar a desistência de Diogo Piçarra por esta e outras razões.

Por outro lado, para mim, tendo perdido, já ganhou P’ra lá do rio, de Daniela Onís.

Qualidade poética, tema prontamente assimilável, boa interpretação e boa presença…

Deve ser um fado meu simpatizar ou escolher sempre quem perde. Ou é de mim ou será dos júris… Ainda que com tanta gente esclarecida que por aí anda, não sei…

paisagística efémera II

Aparentemente infindável a capacidade de a beira-mar se mostrar beira-vida, nessa imensa diversidade…

espaço dunar I

espaço dunar II

espaço dunar III

desfocagem virtual

o efémero incongruente (ou a rampa de lançamento ao chão…)

um português, aqui

o equilíbrio sempre possível a-ver-o-mar

chuveirinho intervencionado

  • fotografias de Jorge Castro

paisagística efémera

Basta ter olhos de ver. Ter olhos de sentir. E a realidade transmuta-se nesse olhar. Ela, que sempre ali esteve, reapresenta-se: eis-me aqui. O que queres de mim? Ora, aprecia-me, vista daqui deste lado…

o repouso episódico entre voos e mergulhos

um olhar austero

à sombra da neblina

e o Bugio aqui tão perto

vestígios rupestres na areia com pegadas aleatórias

a navegação sempre atraiu as atenções

o corre-corre diário pelo sustento

todos os passos vão dar à neblina

quatro mosqueteiros com fortaleza ao fundo

há mais castelos na areia

olhos de água alienígenas

o que fica das águas passadas

malhas que a maré tece

impressão reflexiva

esculturas bidimensionais

uma cascata mais pequena do que eu

um só olho de água  – será outro Ciclope?

escultura arenosa com árvores ao fundo

uma baleia? e porque não?

  • fotografias de Jorge Castro
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas
– Federico García Lorca

Arquivo

Categorias